da chegada das caravelas

27
Nov 15

Hosi António Sampaio (Ajénsia Lusa)

Responsável hosi rejiaun autónomu timoroan Oecusse nian, Mari Alkatiri, defende iha loron-sesta ne'e investimentu sira ne'ebé hala'o daudaun iha teritóriu, hodi subliña benefísiu ekonómiku lalais, maibé mós sosiál sira, iha prazu badak.

 


Bainhira investe iha infraestrutura sira, lukru ne'ebé sei hetan lalais maka infraestrutura rasik. Hafoin lukru ekonómiku ne'e, ita sei iha lukru sosiál", nia hatete, iha deklarasaun sira ba Lusa, iha fatin ne'ebé harii daudaun ponte foun iha mota Tono nia leten.

Nune'e Alkatiri hatán ba krítika sira ba investimentu hosi Governu nian iha rejiaun, ida ne'ebé foun maka liuhosi bispu Baucau nia lian, Basílio do Nascimento, ne'ebé refere ona ba osan ne'ebé gasta daudaun.

Mari Alkatiri - responsável hosi Rejiaun Administrativu Espesiál no hosi Zona Espesiál Ekonomia Sosiál Merkadu nian (ZEESM) - ne'ebé lakohi hatán diretu ba krítika sira afirma katak "tempu maka sei hatudu" impaktu hosi investimentu sira.

"Iha tinan ne'e de'it, iha tempu badak, ita iha dolár millaun haat iha reseita sira, maski iha períudu ida ne'ebé labele iha reseita sira, só gasta de'it. Ha'u la fiar iha milagre sira. Ha'u fiar iha kapasidade ba lideransa no jestaun, la'ós iha milagre sira", nia hatete.

"Ami aposta iha lukru ekonómiku, maibé mós iha sosiál. Bainhira populasaun prodús iha fatin ida no ho ponte bele lori nia produsaun orgániku ba portu no aeroportu, ne'e iha benefísiu ekonómiku no finanseiru maibé mós sosiál sira", nia hatete.

Mari Alkatiri iha loron-sesta ne'e akompaña Prezidente Repúblika, Taur Matan Ruak, no primeiru-ministru Rui Maria de Araújo iha vizita ida ba obra prinsipál rua ne'ebé hala'o daudaun iha zona, barajen ida no projetu irigasaun no ponte iha mota Tono.

"Bainhira hahú projetu infraestrutura urbanu sira tenki hanoin ona iha dezenvolvimentu hosi área suburbanu no rurál", hatete.

Obra hosi barajen, ne'ebé iha osan dolár millaun 11, no hahú halo ona iha fulan-Janeiru 2015, hanesan fuan hosi projetu ida ne'ebé boot hosi irigasaun ne'ebé sei fó benefísiu liu ba rai ho hektár 1.700 no ba família rihun resin ne'ebé moris hosi agrikultura iha zona.

Barajen ne'ebé harii iha mota Tono, la hamosu enerjia elétriku maibé aproveita époka udan nian, hodi kanaliza liuhosi kanál sira ne'ebé sei halo irigasaun ba kampu sira ne'ebé Mari Alkatiri hatete katak bele prodús foos ho kualidade di'ak, inkluzive ba exportasaun.

Harii ona metade hosi estrutura betaun armadu ho naruk metru 200, ne'ebé sei kontrola bee ne'ebé sei lori liuhosi kanu ho kilómetru 29 ne'ebé harii iha besik mota.

Tuirmai, sei avansa ho obra no sei sai hanesan ponte boot liu iha Timor-Leste, projetu ida ne'ebé hakarak tulun ba produsaun, iha zona barajen nian no irigasaun nian, bele sai fásil liu ba Oecusse no sai hosi enklave.

Ponte, ne'ebé iha folin dolár millaun 17, iha metru 360, arku tolu no asesu ho metru 30 no 40.

"Ami halo buat hotu kordenadu no integradu. Ezijénsia dahuluk ne'ebé ha'u halo ba konstrutór sira no inspetór sira hosi obra maka hetan kota ida komun no hahú hosi kota ne'e maka halo buat sira seluk, hodi labele akontese estrada aas liu duké aeroportu", nia fó ezemplu.

Obra sira ne'ebé vizitadu maka hanesan infraestrutura prinsipál rua ne'ebé halo daudaun iha enklave Oecusse, ne'ebé ohin no loron-sábadu sei simu komemorasaun sira hosi tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha Timór no aniversáriu 40 hosi proklamasaun unilaterál ba independénsia Timor-Leste nian.

Delegasaun hosi nasaun oioin sei hamutuk ho individualidade prinsipál timoroan sira nian no ema millaun resin sei asisti iha enklave ba selebrasaun sira.

publika husi sapotl às 13:04

Por António Sampaio (Agência Lusa)

O responsável da região autónoma timorense de Oecusse, Mari Alkatiri, defendeu hoje os investimentos que estão a ser feitos no território, sublinhando os benefícios económicos imediatos, mas também sociais, a médio prazo.

 


"Quando se investe nas infraestruturas, o retorno imediato são as próprias infraestruturas. Depois desse retorno económico, teremos o retorno social", disse, em declarações à Lusa, no local onde está a ser construída a nova ponte sobre a ribeira de Tono.

Alkatiri respondeu assim a críticas ao investimento do Governo na região, a mais recente das quais pela voz do bispo de Baucau, Basílio do Nascimento, que se referiu às verbas avultadas que estão a ser gastas.

Preferindo não responder diretamente às críticas, Mari Alkatiri - responsável da Região Administrativa Especial e da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse-Ambeno - afirmou que "o tempo mostrará" o impacto dos investimentos.

"Só este ano, em pouco tempo, teremos quatro milhões de dólares de receitas, mesmo num período em que não deveria haver receitas, só despesas. Eu não acredito em milagres. Acredito na capacidade de liderança e de gestão, não em milagres", disse.

"Estamos a apostar no retorno económico, mas também no social. Se a população produzir num lado e com a ponte puder levar a sua produção orgânica para o porto e aeroporto, isso tem benefícios económicos e financeiros, mas também sociais", disse.

Mari Alkatiri acompanhou hoje o Presidente da República, Taur Matan Ruak, e o primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, numa visita a duas das principais obras que estão a ser feitas na zona, uma barragem e projeto de irrigação e a ponte sobre a ribeira de Tono.

"Quando se iniciam projetos de infraestruturas urbanas deve-se pensar já no desenvolvimento da área suburbana e rural", disse.

A obra da barragem, orçada em 11 milhões de dólares, e que começou a ser feita em janeiro de 2015, é o coração de um projeto mais amplo de irrigação que beneficiará mais de 1.700 hectares de terreno e mais de mil famílias que vivem da agricultura na zona.

Construída na ribeira de Tono, a barragem não gera energia elétrica mas aproveita o caudal da época das chuvas, canalizando por longos canais que irrigarão os campos onde Mari Alkatiri diz pode ser produzido arroz de maior qualidade, inclusive para exportação.

Já está construída metade da estrutura de betão armado de 200 metros de comprimento, que vai controlar o fluxo da água, que será guiada por mais de 29 quilómetros de caudal construído ao longo da ribeira.

Mais adiante, está a avançar a obra do que será a maior ponte de Timor-Leste, um projeto que pretende ajudar a que a produção a montante, na zona da barragem e da irrigação, posse a ser mais facilmente escoada para Oecussse e para fora do enclave.

A ponte, que custará 17 milhões de dólares, tem 360 metros de vão, três arcos e cerca de 30 a 40 metros de acesso.

"Estamos a fazer tudo coordenado e integrado. A primeira exigência que fiz aos construtores e inspetores das obras é encontrar uma cota comum e a partir dessa cota é que se faz tudo o resto, para não acontecer a estrada estar mais alta que o aeroporto", exemplificou.

As obras visitadas são duas das principais infraestruturas que estão a ser feitas no enclave de Oecusse, que acolhe hoje e sábado as comemorações dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor e o 40.º aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste.

Delegações de vários países juntam-se às principais individualidades timorenses e a milhares de pessoas que convergiram no enclave para as celebrações.

publika husi sapotl às 12:22

Jerasaun timoroan nian hafoin tinan 1999 ne'ebé halo debate no diskursu iha lian portugés. Haree vídeo tuirma ne'e:

 

publika husi sapotl às 12:09

26
Nov 15

Por António Sampaio (Agência Lusa)

 

Os investimentos que estão a ser feitos em Oecusse são a concretização de um sonho para os timorenses e uma recompensa para o povo do enclave que nunca abandonou a luta pela independência, disse hoje o Presidente da República.


 

"É uma grande conquista para nós, 500 anos depois. Este sítio, Oecusse, junta portugueses e timorenses, novamente aqui, para festejar o início de um grande projeto, de um grande sonho dos timorenses e em particular do povo de Oecusse", disse Taur Matan Ruak em declarações à Lusa.

 

"É uma forma também de recompensar os esforços e dedicação deles. Sempre se mantiveram firmes e determinados, lutando lado a lado com a parte maior de Timor para a independência. É um povo que tem um esprito, um nacionalismo, um patriotismo incomparável", afirmou.

 

Taur Matan Ruak falava à Lusa depois de visitar a nova central elétrica de Sacato, em Oecusse, onde chegou hoje para participar nas cerimónias dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste e do 40.º aniversário da proclamação de independência. "O passado serve de referência, de lição, para encarar o presente e buscar o futuro melhor para o nosso povo e nosso país", disse.

 

O chefe de Estado visitou a central acompanhado do presidente do Parlamento Nacional, do primeiro-ministro Rui Maria de Araújo e do responsável da Região Administrativa Especial e da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse-Ambeno, Mari Alkatiri.

 

A central é um dos projetos implementados pela ZEESM, num modelo que está a ser testado em Timor-Leste e que inclui novas formas de realizar obras públicas, com mais fiscalização, e projetos integrados de desenvolvimento.

 

"Estamos a aprender e a perfeição busca-se ao longo do próprio processo de desenvolvimento, sobretudo numa altura de grande competição entre os países que procuram atrair investidores para os seus países. E Timor não quer perder neste jogo, nesta grande competição entre os países", afirmou Taur Matan Ruak. "Este é um projeto-piloto que pode ser replicado. Tudo vai depender da forma como vamos gerir e desenvolver este projeto aqui", disse.

 

Taur Matan Ruak relembrou que há outros "polos de desenvolvimento", como os da costa sul no setor petrolífero, mas que é necessário um "equilíbrio" entre o desenvolvimento das zonas urbanas e das zonas rurais onde ainda há problemas.

 

Várias outras individualidades, que estão em Oecusse para as comemorações de 27 e 28 de novembro, visitaram também a central que está já a garantir todo o fornecimento elétrico ao enclave.

 

"Parabéns por este projeto que traz grandes benefícios ao povo de Oecusse", disse, ao lado de Mari Alkatiri.

 

A central, que começou a ser construída em fevereiro de 2015 e tem uma capacidade instalada de 17 MW, está a funcionar apenas com um dos quatro motores, com um outro de reserva para o caso de haver problemas. Esse motor é suficiente para a procura atual que atinge um máximo de 2 megawatts, como explicou à Lusa Tapio Ostman, responsável pela construção da unidade.

 

Com um orçamento de 37 milhões de dólares a central foi construída pela empresa PT Wartsila Indonésia, uma sociedade do grupo finlandês Wartsila, que no passado dia 13 assinou com a ZEESM um contrato de operação e manutenção durante 5 anos.

 

Findo esse contrato, a ZEESM analisará se renova ou não a concessão com a Wartsila, que vai formar já equipas timorenses, ou se a entrega a outros gestores.

 

O consumo da região deverá aumentar significativamente quando estiverem a funcionar outras infraestruturas já a ser construídas, nomeadamente o aeroporto que, por si só consumirá cerca de 4 megawatts.

publika husi sapotl às 13:42

24
Nov 15

Actividades comemorativas dos 500 Anos da Interação de Duas Civilizações: Timor-Leste e Portugal e Afirmação da Identidade Timorense

 

 

De 1 de outubro a 27 de novembro
Local: Oe-Cusse Ambeno
- Visita da Estátua de Nossa Senhora do Rosário de Oecusse Ambeno a todas as estações missionárias da Região Administrativa Especial de Oe-Cusse Ambeno
- Crisma

 

De 29 de outubro a 29 de novembro
Local: Fundação Oriente

Data: 29 de outubro
Festival de Cinema de Língua Portuguesa

 

Concertos de piano de Júlio Resende e do Duo YKEDA
Local: Hotel Timor

 

Teatro de Marionetas

Local: Díli e Oe-Cusse Ambeno

 

Data: 29 de novembro
Local: Arquivo e Museu da Resistência Timorense (AMRT)
Lançamento do livro “Timor no Passado”

 

Local: Escola Portuguesa Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Sessão de leitura de contos e lendas tradicionais

 

De 1 a 28 de novembro
Exibição de documentários e reportagens na TVTL, a propósito da celebração dos 500 Anos da Interação de Duas Civilizações: Timor-Leste e Portugal

 

De 5 a 15 de novembro
Jogos de fronteira (basquetebol, voleibol, futebol)
Local: Oe-Cusse Ambeno (campo Oebau)

 

De 24 a 28 de novembro
Prova de motocrosse, todo-terreno e corrida de cavalos
Local: Oe-Cusse Ambeno

 

De 10 a 15 de novembro
Batismo
Local: Oe-Cusse Ambeno ( futuras paróquias de Baoknana, Oe-Silo e Passabe)

 

De 16 a 24 de novembro
Cerimónias de Crisma e Casamento
Local: Oe-Cusse Ambeno ( futuras paróquias de Baoknana, Oe-Silo)

 

Cerimónias de Batismo e Crisma
Local: Oe-Cusse Ambeno

Capelas de Sakato, Mahata, Oesono, Cruz, Sta. Rosa, Oecau e estação missionária Oemolo

 

Celebrações matrimoniais
Local: Oe-Cusse Ambeno (paróquia central)

 

Cerimónias de Batismo e Crisma
Local: Oe-Cusse Ambeno (paróquia central)
Capelas de Sikluli, Oetulo, Padimau, Numbei, Masin, Samoro, Palaban, Postu Sica, estação missionária Oelcaem, Quinat, Oelulan e Padiae, em Oecusse (paróquia central)

 

Danças tradicionais
Local: Palco da Feira, Oe-Cusse Ambeno

 

De 16 a 28 de novembro
Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 18h00-24h00
Feira de Artesanato

 

19 de novembro
Debate entre representantes da Igreja Católica de Timor-Leste e Portugal sobre “A importância da Igreja Católica na identidade timorense”
Local: Díli

 

De 24 a 28 de novembro
Local: Arquivo e Museu da Resistência Timorense (Díli) e Escola de Referência de Campo Palaban (Oe-Cusse Ambeno)
Exposição “500 anos de Portugal-Timor”

 

Local: Escola de Referência de Campo Palaban (Oe-Cusse Ambeno)
Feira do Livro

 

Dia 20 de novembro
Local: Centro de Convenções de Díli
Horário: 9h00-12h00
Seminário sobre a evolução da Igreja Católica em Timor-Leste
Oradores: Luis Filipe Tomaz e Frederick Duran

 

Local: Centro de Convenções de Díli
Horário: 14h00-17h00
Seminário sobre o encontro de duas civilizações: Timor-Leste e Portugal
Oradores nacionais e internacionais

 

Dia 24 de novembro
Local: Numbei (Salão Paroquial), Oe-Cusse Ambeno
Horário: 9h00-11h00
Apresentação de estudo sobre a Natureza Histórica

 

Passeio de bicicleta entre Díli e Oe-Cusse Ambeno, com participação de ciclistas indonésios a partir da fronteira de Mota-ain

 

Dia 25 de novembro
Local: Oe-Cusse Ambeno
Caminhada desportiva
Concurso de escrita
Prova de ciclismo

 

Dia 26 de novembro
Local: Oe-Cusse Ambeno
Horário: 9h00-11h00
Intercâmbio entre as comunidades da ilha das Flores, das Molucas e de Oecusse Ambeno

 

Prova de ciclismo
Horário: 8h00

 

Horário: 15h00-17h00
Local: Monumento de Lifau, Oe-Cusse Ambeno
Missa de comemoração dos 500 anos de Interação de Duas Civilizações

 

Dia 27 de novembro
Local: Oe-Cusse Ambeno
Horário: 8h00-12h00
Inauguração do Monumento de Lifau

 

Local: Oe-Cusse Ambeno (Campo Palaban)
Horário: 19h00-22h00
Jantar oficial, oferecido pelo Presidente da República, Taur Matan Ruak


Dia 28 de novembro
Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 10h00-11h00
-Cerimónia do Içar da Bandeira,
-Condecorações entrega de prémios do concurso de nutrição

 

Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 11h00-12h00
Desporto comunitário (Pau de sebo e Tração da corda)

 

Local: Escola de Referência de Oe-Cusse Ambeno
Horário: 12h00-13h00
“Cocktail” para convidados e população

 

Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 14h00-17h30
Desporto comunitário (natação e corrida de barcos)

 

Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 16h30-17h30
Cerimónia do Arriar da Bandeira

 

Local: Campo Palaban, Oe-Cusse Ambeno
Horário: 19h00-24h00
Noite cultural

publika husi sapotl às 15:41

Timor-Leste ohin loron iha populasaun ida ne'ebé mai hosi Portugal hanesan ho populasaun ne'ebé uluk hela iha teritóriu iha tinan 1974 nia rohan, maski ohin loron nia kompozisaun oioin tebes, ho aumentu ida ne'ebé serbisu iha setór privadu.


Foto: António Amaral/EPA

 

Profesór ho asesór sira hosi área oioin (destaka iha ministériu sira, departamentu públiku sira, iha Parlamentu Nasionál no iha Prezidénsia Repúblika ka instituisaun sira seluk Estadu nian) reprezenta parte boot hosi populasaun ida ne'ebé bele iha ema entre 2.000 no 2.500.

 

Iha susar oituan hodi konfirma númeru loloos, maski seksaun konsulár hosi Embaixada Portugal nian iha Díli rejista ona ema portugés na'in 17.154 no na'in 2.265 mai hosi Portugal.

 

Maibé iha ema barak maka sai ona hosi nasaun no la fó baixa iha rejistu konsulár nian no iha mós balun ne'ebé maka hela nafatin iha nasaun no laiha rejistu iha embaixada.

 

Hanesan ezemplu, no kontráriu ho númeru ne'ebé sensu tinan 2010 halo rejista de'it ema portugés na'in 318, seidauk hatene ema hira maka rejistadu ona iha sensu ne'ebé halo iha tinan ne'e.

 

Hahú 1999 maka komunidade portugeza iha Timor-Leste hahú aumenta ho veteranu sira hosi dékada oioin moris nian iha nasaun (hanesan ezemplu Avó Serra ne'ebé hela iha Timór tinan 51 nia laran) ne'ebé agora iha parte daruak hosi rezidente tuan sira: ema portugés na'in haat ka na'in lima ne'ebé moris iha nasaun hahú pelumenus tinan 2000.

 

Iha tinan dahuluk sira hafoin referendu, prezensa portugeza nian hanesan dominadu hosi militár no polísia sira - to'o ona liu 1.100 - ho profesór sira maka forma parte boot daruak hosi grupu ne'e.

 

Ohin loron iha kompozisaun oioin ho emprezáriu sira ne'ebé foun - balun hela iha nasaun ho funsaun sira seluk, inklui halo parte iha forsa sira seguransa nian - no monta negósiu, konstrusaun sivil, serbisu sira no vendedór retallu nian.

 

Funsionáriu sira hosi empreza boot timoroan nian ka hosi projetu luzu-timoroan boot sira, hanesan Serviço Nacional de Cadastro (SNC) ka iha ligasaun ho empreza sira hanesan Ensul, ne'ebé aleinde konstrusaun sivil la'o mós iha tinan hirak ikus ne'e ba supermerkadu "portugés liu" iha Timor-Leste.

 

Iha ema portugés sira ne'ebé to'o iha Timór hosi loke konsesionáriu karreta nian, barak maka partisipa ona iha projetu voluntariadu ka apoia organizasaun la'ós governu nian no sira seluk loke loja sira, padaria sira ka pastelaria sira no balun loke fatin ba okupasaun tempu livre nian. Maski hanesan kolónia antigu ida, prezensa portugeza nian iha Timor-Leste ladún iha númeru boot.

 

Iha 1750, tinan 49 hafoin governadór portugés dahuluk simu knaar sira iha Lifau - tasi-ibun dahuluk ne'ebé maka portugés sira to'o iha illa no hanesan kapitál dahuluk hosi Flores, Timor no Solor - resenseamentu hatete de'it ba ema europeu na'in 15 iha illa, barak liu hanesan misionáriu.

 

Liutiha sékulu rua, resenseamentu tinan 1950 konfirma katak populasaun portugeza to'o ona na'in 568 ho totál ida hosi mestisu na'in 2.022 iha populasaun ida ho totál 442.378.

 

Iha 1973, ema portugés sira ne'ebé mai hosi Portugal - inklui ema sira hosi Forsa Armada no família sira - besik na'in 3.000.

 

Informasaun ikus sira ne'ebé disponivel hatete katak, iha tinan 1974 nia rohan, iha Timor-Leste iha de'it mane portugés na'in 2.500 no feto na'in 500, barak liu maka soldadu sira, kabu sira no sarjentu sira.

 

Iha tempu ne'ebá mós maka Konsellu Ministru sira nian no sekretariadu hosi Movimentu Forsa Armada sira nia nomeia governadór ikus hosi Timór Portugés nian, tenente-koronél Mário Lemos Pires.

 

Iha nia livru, governadór haree katak iha períudu ikus, antes sai hosi illa, iha Timór iha ema portugés na'in 5.000 resin, númeru ida ne'ebé ki'ik duké komunidade portugeza iha Sydney, sidade boot australianu nian.

 

ho Lusa

publika husi sapotl às 15:30

Timor-Leste tem hoje uma população oriunda de Portugal quase tão grande como a que vivia no território no final de 1974, sendo que hoje a sua composição é muito mais diversa, com uma crescente fatia a trabalhar no setor privado.


Foto: António Amaral/EPA

 

Professores e assessores de topo o tipo (destacados em ministérios, departamentos públicos, no Parlamento Nacional e na Presidência da República ou outras instituições do Estado) representam a maior fatia de uma população que poderá rondar entre 2.000 e 2.500 pessoas.

 

Números exatos são difíceis de confirmar, sendo que a secção consular da Embaixada de Portugal em Díli tem registados 17.154 portugueses dos quais 2.265 oriundos de Portugal.

 

Mas se esse número pode pecar por excesso - há muitos que já saíram do país e não deram baixa dos registos consulares - também pode pecar por defeito, porque há muitos a viver no país que continuam sem se registar na embaixada.

 

Note-se, por exemplo, e em contraste com este número que o censo de 2010 só registou 318 portugueses, desconhecendo-se ainda quantos ficaram registados no censo conduzido este ano.

 

Desde 1999 que, como nunca, a comunidade portuguesa em Timor-Leste tem vindo a consolidar-se, com os veteranos de várias décadas de vida no país (o ‘avô’ Serra, por exemplo, está no país há 51 anos) a terem agora uma segunda leva de residentes longevos: quatro ou cinco portugueses que vivem no país desde pelo menos 2000.

 

Logos nos primeiros anos pós-referendo, a presença portuguesa era claramente dominada por militares e polícias - chegaram a ser mais de 1.100 - com professores a formarem o segundo grande grupo.

 

Hoje a composição é muito mais variada com a chegada de novos empresários - alguns que estiveram no país noutras funções, incluindo integrando forças de segurança - e que montaram negócios, de construção civil, serviços ou retalho.

 

Funcionários de grandes empresas timorenses ou de grandes projetos luso-timorenses, como o Serviço Nacional de Cadastro (SNC,) ou ligados a empresas como a Ensul, que além da construção civil enveredou nos últimos anos para as grandes superfícies, com a abertura do supermercado ‘mais português’ de Timor-Leste.

 

Há portugueses que vieram montar um concessionário automóvel, vários que participam em projetos de voluntariado ou apoiam organizações não-governamentais e outros que vieram para abrir lojas, padarias e pastelarias e até espaços para ocupações de tempos livres. Apesar de ser uma colónia antiga, a presença portuguesa em Timor-Leste nunca foi particularmente numerosa.

 

Em 1750, 49 anos depois de o primeiro governador português assumir funções em Lifau - a praia onde primeiro desembarcaram portugueses na ilha e a primeira capital de Flores, Timor e Solor - o recenseamento dava conta de apenas 15 europeus na ilha, maioritariamente missionários.

 

Dois séculos depois, o recenseamento de 1950 confirma que a população portuguesa atingia “568 almas”, com um total de 2.022 mestiços, numa população total de 442.378.

 

Em 1973, os portugueses oriundos de Portugal - incluindo pessoal das Forças Armadas e familiares - eram quase 3.000. Os últimos dados disponíveis notam que, no final de 1974, estavam em Timor-Leste cerca de 2.500 homens e 500 mulheres portugueses, a maioria soldados, cabos e sargentos.

 

É também nessa altura que o Conselho de Ministros e o secretariado do Movimento das Forças Armadas nomeiam o que seria o último governador de Timor português, o tenente-coronel Mário Lemos Pires.

 

No seu livro, o governador nota que no último período, antes da retirada, estariam em Timor cerca de 5.000 portugueses, um número mais reduzido do que a comunidade portuguesa em Sydney, a maior cidade australiana.

 

com Lusa

publika husi sapotl às 15:03

23
Nov 15

Hosi António Sampaio, Ajénsia Lusa

Iha outubru ka novembru “1964 ka 65”, lahanoin didi’ak ona, maibé José Serra, sai hosi Fundão, hodi la’o haleu mundu no maisoumenus, fulan ida hafoin to’o iha Timor-Leste, nia nunka sai tan.

 

José Serra, portugés ida ne'ebé halo viajen haleu mundu to'o Timór no nunka halo tan viajen. EPA@ António Sampaio


Avô Serra, ne’ebé koñesidu iha ne’e, halo ona tinan 85 iha fulan outubru ne’e nomós nu’udar dekanu portugés iha Timor-Leste, durante tinan 50 iha teritóriu ne’e, fulan barak tenke hela iha ailaran tanba hala’i hosi funu sivil entre timor-oan nomós depois tanba atake hosi Indonézia sira.

Hafoin kilómetru rihun 15, hosi aldeia Joanas, Castelo Branco, José Serra iha tinan 50 nia laran, lasai hosi koredór entre Dili ho fronteira Indonézisa, ne’ebé ho kilómetru 100.

"Ha’u to’o iha Timór, loron 13 ka 14 dezembru. Laiha buat ida maka hanesan ho Fundão. Ha’u hela iha São Vicente da Beira, Joanas no ha’u-nia maun ida maka iha ne’e. Nia moris ladun di’ak, hanesan mos iha Portugal, nia mai", nia konta ba Lusa.

Foufoun ema simu ninia maun ho di’ak, maibé ladun haree ho di’ak, tanba hakarak “moris mesak”, nia husu tulun ba governadór, Alves Aldeia, hodi fó karau balun ba nia haki’ak, atu bele moris.

"Nia fó kanu 200 ba ha’u hodi dada bee, nia fó kontu lima ba ha’u hodi tau-matan ba kafé nomós karau 25. Ha’u tenke ba lori karau hirak ne’e hosi Dili. Ha’u tenke la’o ain durante semana ida hodi fila hikas", nia konta tuir.

"Hosi karau 25, konsege hetan to’o 400. Haksolok tebes. Miabe funu maka estraga. To’o iha tinan 1974 no sira hahú ho partidu. Iha 1975 ha’u labele hala’i ona", nia lamenta.

“Avó” ladun tuun mai Dili, nia prefere hela hakmatek iha Vato Boro, ‘suku’ kiik hosi ladeia 10 ho kilómetru ualu hosi vila Maubara, ho kareta, la’o minutu 35, hanesan autorora ne’ebé halo ligasaun hosi kapitál ba fronteira.

Iha 1975 no iha fali tinan hikas tuir mai, mosu hanoin ida atu hala’i, tanba funu sivil nomós okupasaun Indonézia, maibé lakonsege: teritóriu ne’e taka ka lafó dalan atu ema ruma sai.

Viajen marka ona, pasaporte prontu no sosa mos ona sapatu ho modelu iha tempu ne’ebá nian, hodi aproveita ho programa Governu portugés, Portugal iha Fuan, maka ajuda ona portugés-oan sira ne’ebé hela iha nasaun seluk, bele fila hikas ba sira-ninia moris fatin. "Ha’u tauk. Ha’u tauk karik lafila", nia konta.

"Ha’u haksolok ho ukun-aan ne’e. Maibé karik ha’u sei bele la’o no la’o, ha’u hakarak bá lai Portugal. Ha’u hakarak tebes bá Portugal. Sira hotu hakarak lori ha’u bá, maibé ha’u dehan: karik ha’u bá ha’u sei lafila ona, tanba ha’u katuas ona. No ha’u sente triste, bainhira husik hela sira ne’ebé ajuda ona ha’u iha ne’e", nia dehan.

Karik tauk ne'e bele mosu hosi ema na'in rua ne'ebé iha Timor-Leste hetan benefísiu hosi programa ne'e: na'in ida mate iha Portugal liutiha loron balun to'o iha Portugal, ida seluk mate iha Timor-Leste liutiha fulan ida to'o hosi Portugal.

To’o sapatu mos at: ema ida ho tinan 50 ne’ebé la’o ain-tanan ka ho sinelu, presija sapatu ho tamañu bot.

Ohin loron, maski buat barak maka mosu iha tinan hirak ikus ne’e, maibé kontinua moris iha ki’ak laran, maibé laimpede ema hirak ne’e atu ajuda viziñu sira ne’ebé halo uma, ajuda faan ai-fuan nomós animál, hodi ikus mai harii Hotel Timór iha Dili.

"Iha semana ne’e ha’u hetan azar. Kareta ninia kondisaun di’ak, maibé lakonsege to’o iha Dili", nia haktuir hikas. Maibé Serra ladun preokupa, hanoin hikas kona-ba momentu difisil nomós rádio "filipe" ne’ebé hakoi tiha no laiha antena atu akompaña notísia kona-ba Portugal.





"Maibé ha'u hanesan ema portugés no ha'u nunka troka ha'u nia kamiza ho kamiza seluk. Ha'u hanesan ema portugés nafatin. No sé maka hakarak sai hanesan ema portugés di'ak ida tenki mai iha ne'e. Tanba iha ne'e iha liu amizade ba portugés sira, saudade maka'as", nia hatete.

Soldadu sira hetan ai-han hosi karau hirak ne’ebé nia hakiak no ninia r’adio uza hodi halo diálogu ho indonézia sira ne’ebé hateten katak uluk nia hanesan embaixadór Portugal nian iha Maubara.

"Ó señor polísia no militár sira, labele dehan ne’e. Ha’u ema Portugal, maibé ha’u-nia hahalok hanesan liu ema Timór. Embaixadór portugés sira, lala’o ain-tanan. Sira sempre uza gravata, kazaku no sapatu, lala’o sabraut hanesan ha’u", nia hatan.

"No nia dehan katak ha’u iha radio ida no ha’u dehan: ha’u iha radio ida, maibé señór tenke fó osan mai ha’u hodi sosa pilla, atu ha’u bele rona Portugal. Noa sira tau tiha kilat no hemu kafé", nia konta.

SAPO TL ho Lusa

publika husi sapotl às 12:15

19
Nov 15

Fonte: Lusa

 

Kantór portugés Tony Carreira ho múzika kabu-verdianu Tito Paris sei halo atuasaun iha komemorasaun ofisiál sira tinan 500 bainhira navegadór portugés sira to'o iha Timor-Leste, ho konsertu ida ne'ebé ajenda ona ba loron 28 Novembru iha enklave Oecusse.


Tony Carreira

 

Anúnsiu kona-bá prezensa Tony Carreira nian halo hosi kantór rasik iha vídeo badak ida ne'ebé divulga iha nia pájina Facebook ne'ebé esplika katak nia sei to'o iha Timor-Leste ba selebrasaun sira, ne'ebé koinside ho tinan 40 ba proklamasaun independénsia Timor-Leste nian. "Hanesan orgullu ida mai ha'u hodi reprezenta Portugal", nia hatete iha vídeo.

 

Francisco Kalbuadi, ministru Turizmu, Arte ho Kultura, konfirma ona ba Lusa katak aleinde Tony Carreira, sei iha mós atuasuan hosi Tito Paris iha konsertu hanesan, iha loron 28 Novembru. "To'o agora laiha tan konsertu seluk iha Díli", nia hatete.

 

Tito Paris


Governu timoroan halo ona programa boot ida, ho atividade sanulu resin, iha fatin oioin Timor-Leste nian sei selebra tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha illa ne'e, afirmasaun ba identidade timoroan nian no tinan 40 ba deklarasaun unilaterál independénsia nian.

 

Sei iha eventu sira iha Díli no iha enklave Oecusse, inklui inaugurasaun ba monumentu foun - karavela ida ho bronze ne'ebé halo iha Portugal - ne'ebé marka momentu bainhira navegadór sira to'o iha tasi-ibun Lifau nian.

 

Múzika hosi Tony Carreira - Depois de Ti

 

Múzika hosi Tito Paris -  Danca ma mi Crouila

publika husi sapotl às 12:49

Fonte: Lusa

O cantor português Tony Carreira e o músico cabo-verdiano Tito Paris vão atuar nas comemorações oficiais dos 500 anos da chegada de navegadores portugueses a Timor-Leste, com um concerto previsto para 28 de novembro no enclave de Oecusse.

 

 

Tony Carreira

 

O anúncio da presença de Tony Carreira foi feito pelo próprio num curto vídeo divulgado na sua página no Facebook em que explica que estará em Timor-Leste para os festejos, que coincidem com o 40.º aniversário da proclamação da independência de Timor-Leste. "Para mim é um orgulho representar Portugal", disse, no vídeo.

 

Francisco Kalbuadi, ministro do Turismo, Artes e Cultura confirmou à Lusa que além de Tony Carreira está prevista a atuação de Tito Paris no mesmo concerto, no dia 28 de novembro. "Para já não está previsto outro concerto em Díli", disse.

 

Tito Paris

 

O Governo timorense desenhou um extenso programa, com dezenas de atividades, que assinala em vários pontos de Timor-Leste os 500 anos da chegada dos portugueses ao país, a afirmação da identidade timorense e o 40.º aniversário da declaração unilateral da independência.

 

Haverá eventos em Díli e no enclave de Oecusse, incluindo a inauguração do novo monumento - uma caravela em bronze feita em Portugal - que marca na praia de Lifau o local da chegada dos navegadores.

 

Uma música de Tony Carreira - Depois de Ti

  

Uma música de Tito Paris - Danca ma mi Crouila

publika husi sapotl às 11:54

17
Nov 15

Uma exposição de fotografias de um militar português que esteve em Timor-Leste na década de 60 do século passado abre em Díli no sábado no âmbito das comemorações dos 500 anos da chegada de navegadores portugueses.

 

 

A exposição "Um olhar sobre Timor - Anos 60", que estará patente até final do ano na delegação da Fundação Oriente em Díli, é uma de várias mostrar culturais associadas aos festejos, que têm como ponto alto as comemorações oficiais a 27 e 28 de novembro.

 

O autor das dezenas de fotografias que estão expostas pela primeira vez em Timor-Leste é o comandante António Sérgio Cardoso, um militar português que esteve destacado no país nos 60.

 

Registam aspetos do dia-a-dia da vida das populações locais, das festas e romarias e da cultura timorense.

 

O Governo timorense desenhou um extenso programa, com dezenas de atividades, que assinala em vários pontos de Timor-Leste os 500 anos da chegada dos portugueses ao país, a afirmação da identidade timorense e o 40.º aniversário da declaração unilateral da independência.

 

Cada município acolhe atividades desportivas e cerimónias religiosas e protocolares a 27 e 28 de novembro, com Díli a ter um extenso programa, que inclui uma feira de artesanato e gastronomia (20 a 29 de novembro).

 

Uma exposição alusiva às culturas portuguesa e timorense, espetáculos multimédia, uma feira do livro, concertos musicais, teatro e palestras sobre a história da colonização e sobre a resistência à ocupação indonésia estão igualmente previstos.

 

O programa de Díli prevê ainda debates estudantis, competições de ciclismo e motocross, caminhadas e um "ritual de agradecimento aos antepassados" pela conquista da independência.

 

Em Oecusse, as atividades incluem vários programas religiosos e incluem um festival de cinema de língua portuguesa e teatro de marionetas (entre 25 e 27 de novembro), uma feira de artesanato e vários debates e seminários.

 

Várias competições desportivas, jogos fronteiriços e concursos de trabalhos escolares são outras das atividades previstas.

 

As cerimónias oficiais começam a 27 de novembro com a inauguração do novo monumento que em Lifau assinala a chegada dos portugueses à ilha de Timor e um banquete nacional oferecido pelo Presidente da República.

 

O dia 28 arranca com a cerimónia do içar da bandeira nacional antes de um minuto de silêncio, dos discursos e da leitura do texto da proclamação da independência de 28 de novembro de 1975, feita em frente ao Palácio do Governo, em Díli.

 

com Lusa

publika husi sapotl às 12:12

Expozisaun fotografia sira hosi militár portugés ida nian nebe uluk serbisu iha Timor-Leste iha dékada 60 hosi sékulu liubá sei loke iha Díli iha loron-sábadu iha ámbitu hosi komemorasaun sira tinan 500 bainhira navegadór portugés sira to'o iha Timór.

 

 

Expozisaun "Um olhar sobre Timor - Anos 60", nebe sei halo to'o tinan ne'e nia rohan iha delegasaun hosi Fundasaun Oriente nian iha Díli, hanesan expozisaun kulturál ida nebe iha ligasaun ho selebrasaun sira, nebe nia pontu aas liu maka ho komemorasaun ofisiál iha loron 27 no 28 Novembru.

 

Autór hosi fotografia sanulu resin ne'ebé sei hatudu ba dala uluk iha Timor-Leste maka komandante António Sérgio Cardoso, militár portugés ida nebe uluk destakadu iha nasaun ne'e iha tinan 1960.

 

Hatudu aspetu loron-loron hosi populasaun lokál sira nian moris, hosi festa no selebrasaun sira no hosi kultura timoroan nian.

 

Governu timoroan halo ona programa naruk ida, ho atividade oioin, iha fatin oioin iha Timor-Leste sei selebra tinan 500 bainhira portugés sira tama iha Timór, afirmasaun ba identidade timoroan nian no tinan 40 ba deklarasaun unilaterál independénsia nian.

 

Munisípiu ida-idak sei simu atividade desportivu no serimónia relijiozu sira no protokolár sira iha loron 27 no 28 Novembru, Díli sei iha programa naruk ida ne'ebé inklui feira ida ba artezanatu no gastronomia nian (hosi loron 20 to'o 29 Novembru).

 

Sei halo mós expozisaun relasionadu ba kultura portugeza no timoroan nian, espetákulu sira multimédia, feira ida livru nian, konsertu muzikál sira, teatru no palestra sira kona-bá istória kolonizasaun nian no kona-bá rezisténsia hasoru okupasaun indonézia nian.

 

Iha Díli sei halo mós debate estudante sira nian, kompetisaun sira siklizmu no motokross nian, la'o no "rituál ida agradesimentu ba bei'ala sira" tanba hetan ona independénsia.

 

Iha Oecusse, atividade sira inklui programa relijiozu sira no inklui festivál ida sinema ho lian portugés nian no teatru marioneta sira nian (entre loron 25 no 27 Novembru), feira artezanatu ida no debate ho semináriu oioin.

 

Kompetisaun desportivu oioin, jogu fronteira sira no konkursu hosi serbisu eskola sira nian no atividade sira seluk nebe previstu ona.

 

Serimónia ofisiál sira hahú ona iha loron 27 Novembru ho inaugurasaun ba monumentu foun iha Lifau hodi hanoin ema portugés sira ne'ebé to'o iha illa Timór no bankete nasionál ida nebe oferese hosi Prezidente Repúblika.

 

Iha loron 28 sei hahú ho serimónia hasa'e bandeira nasionál antes halo minutu silénsiu, diskursu sira no leitura ba testu proklamasaun independénsia loron 28 Novembru 1975 nian, nebe sei halo iha Palásiu Governu nia oin iha Díli.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 12:09

16
Nov 15

Espozisaun fotografia "Um olhar sobre Timor- Anos 60" sei loke hahú loron 21 Novembru, loron-sábadu tuku 14:30 iha delegasaun hosi Fundasaun Oriente iha Díli to'o tinan 2015 nia rohan.



Autór hosi foto sira, Komandante António Sérgio Cardoso, militár portugés nebe uluk halo serbisu iha Timór iha tinan 1960, kapta ona aspetu loron-loron nian, hosi festa sira iha kultura timoroan nian.

Espozisaun ne'e sei hatudu ba dala uluk no iha Díli hodi hanoin mós tinan 500 bainhira portugés sira tama iha Timór.

publika husi sapotl às 15:25

A exposição de fotografia "Um olhar sobre Timor - Anos 60" estará aberta desde 21 de Novembro, sábado às 14h30m na delegação da Fundação Oriente em Dìli e até final do ano de 2015.

 


O autor das fotos, Comandante António Sérgio Cardoso, militar português que fez serviço em Timor nos anos 60, captou aspectos do dia-a-dia, das festas e romarias, da cultura timorense.

A exposição que servirá para assinalar os 500 anos da chegada dos portugueses a Timor, é exibida pela primeira vez e em Díli.

publika husi sapotl às 15:20

Janeiru 2016
Dom
Seg
Ter
Kua
Kin
Ses
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arkivu
tags

tags hotu-hotu

konaba ba ha'u
Peskiza
 
blogs SAPO