da chegada das caravelas

01
Dez 15

Participação do Primeiro-Ministro Rui Maria de Araújo nas cerimónias oficias, no dia 27 de Novembro 2015, para celebrar os 500 anos da chegada dos portugueses em Timor-Leste e 40 aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste.

 

Partisipasaun hosi Primeiru-Ministru Rui Maria de Araújo iha serimónia ofisiál sira, iha loron 27 Novembru 2015, hodi selebra tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha Timor-Leste no aniversáriu ba dala 40 hosi proklamasaun unilaterál ba independénsia Timor-Leste nian.

 

Fonte: Gabinete do Primeiro-Ministro de Timor-Leste

 

publika husi sapotl às 12:27

30
Nov 15

publika husi sapotl às 14:01

28
Nov 15

Inauguração do Momumento em Lifau, Oecusse, no dia 27 de Novembro 2015.

Inaugurasaun ba Monumentu iha Lifau, Oecusse, iha loron 27 fulan-Novembru 2015.


Fonte: Gabinete da Primeira-Dama de Timor-Leste

 

publika husi sapotl às 20:07

27
Nov 15

Hosi António Sampaio (Ajénsia Lusa)

Responsável hosi rejiaun autónomu timoroan Oecusse nian, Mari Alkatiri, defende iha loron-sesta ne'e investimentu sira ne'ebé hala'o daudaun iha teritóriu, hodi subliña benefísiu ekonómiku lalais, maibé mós sosiál sira, iha prazu badak.

 


Bainhira investe iha infraestrutura sira, lukru ne'ebé sei hetan lalais maka infraestrutura rasik. Hafoin lukru ekonómiku ne'e, ita sei iha lukru sosiál", nia hatete, iha deklarasaun sira ba Lusa, iha fatin ne'ebé harii daudaun ponte foun iha mota Tono nia leten.

Nune'e Alkatiri hatán ba krítika sira ba investimentu hosi Governu nian iha rejiaun, ida ne'ebé foun maka liuhosi bispu Baucau nia lian, Basílio do Nascimento, ne'ebé refere ona ba osan ne'ebé gasta daudaun.

Mari Alkatiri - responsável hosi Rejiaun Administrativu Espesiál no hosi Zona Espesiál Ekonomia Sosiál Merkadu nian (ZEESM) - ne'ebé lakohi hatán diretu ba krítika sira afirma katak "tempu maka sei hatudu" impaktu hosi investimentu sira.

"Iha tinan ne'e de'it, iha tempu badak, ita iha dolár millaun haat iha reseita sira, maski iha períudu ida ne'ebé labele iha reseita sira, só gasta de'it. Ha'u la fiar iha milagre sira. Ha'u fiar iha kapasidade ba lideransa no jestaun, la'ós iha milagre sira", nia hatete.

"Ami aposta iha lukru ekonómiku, maibé mós iha sosiál. Bainhira populasaun prodús iha fatin ida no ho ponte bele lori nia produsaun orgániku ba portu no aeroportu, ne'e iha benefísiu ekonómiku no finanseiru maibé mós sosiál sira", nia hatete.

Mari Alkatiri iha loron-sesta ne'e akompaña Prezidente Repúblika, Taur Matan Ruak, no primeiru-ministru Rui Maria de Araújo iha vizita ida ba obra prinsipál rua ne'ebé hala'o daudaun iha zona, barajen ida no projetu irigasaun no ponte iha mota Tono.

"Bainhira hahú projetu infraestrutura urbanu sira tenki hanoin ona iha dezenvolvimentu hosi área suburbanu no rurál", hatete.

Obra hosi barajen, ne'ebé iha osan dolár millaun 11, no hahú halo ona iha fulan-Janeiru 2015, hanesan fuan hosi projetu ida ne'ebé boot hosi irigasaun ne'ebé sei fó benefísiu liu ba rai ho hektár 1.700 no ba família rihun resin ne'ebé moris hosi agrikultura iha zona.

Barajen ne'ebé harii iha mota Tono, la hamosu enerjia elétriku maibé aproveita époka udan nian, hodi kanaliza liuhosi kanál sira ne'ebé sei halo irigasaun ba kampu sira ne'ebé Mari Alkatiri hatete katak bele prodús foos ho kualidade di'ak, inkluzive ba exportasaun.

Harii ona metade hosi estrutura betaun armadu ho naruk metru 200, ne'ebé sei kontrola bee ne'ebé sei lori liuhosi kanu ho kilómetru 29 ne'ebé harii iha besik mota.

Tuirmai, sei avansa ho obra no sei sai hanesan ponte boot liu iha Timor-Leste, projetu ida ne'ebé hakarak tulun ba produsaun, iha zona barajen nian no irigasaun nian, bele sai fásil liu ba Oecusse no sai hosi enklave.

Ponte, ne'ebé iha folin dolár millaun 17, iha metru 360, arku tolu no asesu ho metru 30 no 40.

"Ami halo buat hotu kordenadu no integradu. Ezijénsia dahuluk ne'ebé ha'u halo ba konstrutór sira no inspetór sira hosi obra maka hetan kota ida komun no hahú hosi kota ne'e maka halo buat sira seluk, hodi labele akontese estrada aas liu duké aeroportu", nia fó ezemplu.

Obra sira ne'ebé vizitadu maka hanesan infraestrutura prinsipál rua ne'ebé halo daudaun iha enklave Oecusse, ne'ebé ohin no loron-sábadu sei simu komemorasaun sira hosi tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha Timór no aniversáriu 40 hosi proklamasaun unilaterál ba independénsia Timor-Leste nian.

Delegasaun hosi nasaun oioin sei hamutuk ho individualidade prinsipál timoroan sira nian no ema millaun resin sei asisti iha enklave ba selebrasaun sira.

publika husi sapotl às 13:04

Por António Sampaio (Agência Lusa)

O responsável da região autónoma timorense de Oecusse, Mari Alkatiri, defendeu hoje os investimentos que estão a ser feitos no território, sublinhando os benefícios económicos imediatos, mas também sociais, a médio prazo.

 


"Quando se investe nas infraestruturas, o retorno imediato são as próprias infraestruturas. Depois desse retorno económico, teremos o retorno social", disse, em declarações à Lusa, no local onde está a ser construída a nova ponte sobre a ribeira de Tono.

Alkatiri respondeu assim a críticas ao investimento do Governo na região, a mais recente das quais pela voz do bispo de Baucau, Basílio do Nascimento, que se referiu às verbas avultadas que estão a ser gastas.

Preferindo não responder diretamente às críticas, Mari Alkatiri - responsável da Região Administrativa Especial e da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse-Ambeno - afirmou que "o tempo mostrará" o impacto dos investimentos.

"Só este ano, em pouco tempo, teremos quatro milhões de dólares de receitas, mesmo num período em que não deveria haver receitas, só despesas. Eu não acredito em milagres. Acredito na capacidade de liderança e de gestão, não em milagres", disse.

"Estamos a apostar no retorno económico, mas também no social. Se a população produzir num lado e com a ponte puder levar a sua produção orgânica para o porto e aeroporto, isso tem benefícios económicos e financeiros, mas também sociais", disse.

Mari Alkatiri acompanhou hoje o Presidente da República, Taur Matan Ruak, e o primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, numa visita a duas das principais obras que estão a ser feitas na zona, uma barragem e projeto de irrigação e a ponte sobre a ribeira de Tono.

"Quando se iniciam projetos de infraestruturas urbanas deve-se pensar já no desenvolvimento da área suburbana e rural", disse.

A obra da barragem, orçada em 11 milhões de dólares, e que começou a ser feita em janeiro de 2015, é o coração de um projeto mais amplo de irrigação que beneficiará mais de 1.700 hectares de terreno e mais de mil famílias que vivem da agricultura na zona.

Construída na ribeira de Tono, a barragem não gera energia elétrica mas aproveita o caudal da época das chuvas, canalizando por longos canais que irrigarão os campos onde Mari Alkatiri diz pode ser produzido arroz de maior qualidade, inclusive para exportação.

Já está construída metade da estrutura de betão armado de 200 metros de comprimento, que vai controlar o fluxo da água, que será guiada por mais de 29 quilómetros de caudal construído ao longo da ribeira.

Mais adiante, está a avançar a obra do que será a maior ponte de Timor-Leste, um projeto que pretende ajudar a que a produção a montante, na zona da barragem e da irrigação, posse a ser mais facilmente escoada para Oecussse e para fora do enclave.

A ponte, que custará 17 milhões de dólares, tem 360 metros de vão, três arcos e cerca de 30 a 40 metros de acesso.

"Estamos a fazer tudo coordenado e integrado. A primeira exigência que fiz aos construtores e inspetores das obras é encontrar uma cota comum e a partir dessa cota é que se faz tudo o resto, para não acontecer a estrada estar mais alta que o aeroporto", exemplificou.

As obras visitadas são duas das principais infraestruturas que estão a ser feitas no enclave de Oecusse, que acolhe hoje e sábado as comemorações dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor e o 40.º aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste.

Delegações de vários países juntam-se às principais individualidades timorenses e a milhares de pessoas que convergiram no enclave para as celebrações.

publika husi sapotl às 12:22

26
Nov 15

Hosi António Sampaio (Ajénsia Lusa)

Investimentu sira ne'ebé hala'o daudaun iha Oecusse hanesan konkretizasaun hosi mehi ida ba timoroan sira no rekompensa ida ba povu hosi enklave ne'ebé nunka husik luta ba independénsia, hatete ohin hosi Prezidente Repúblika.


 

"Hanesan konkista boot ida ba ita, liutiha tinan 500. Fatin ne'e, Oecusse, halibur ema portugés no timoroan sira, dala ida tan iha ne'e, hodi halo festa ba inísiu hosi projetu boot ida, hosi mehi boot ida timoroan sira nian no liuliu hosi povu Oecusse nian", hatete hosi Taur Matan Ruak iha deklarasaun sira ba Lusa.

 

"Hanesan dala ida hodi rekompensa mós esforsu sira no dedikasaun sira nian. Mantén firmi no determinadu nafatin, luta hamutuk ho parte boot Timór nian ba independénsia. Hanesan povu ida ne'ebé iha espíritu ida, nasionalizmu ida, patriotizmu ida ne'ebé la kompara", nia afirma.

Taur Matan Ruak ko'alia ba Lusa hafoin vizita tiha sentrál eletriku foun iha Sakato, Oecusse, ne'ebé to'o iha loron-kinta ne'e hodi partisipa iha serimónia sira ba tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha Timor-Leste no deklarasaun ba proklamasaun independénsia nian. "Pasadu sai ona hanesa referénsia, lisaun, hodi kaer prezente no buka futuru di'ak ida ba ita nia povu no nasaun", nia hatete.

Xefe Estadu vizita ona sentrál akompaña hosi prezidente Parlamentu Nasionál, primeiru-ministru Rui Maria de Araújo no hosi responsável Rejiaun Administrativu Espesiál no hosi Zona Espesiál Ekonomia Sosiál Merkadu nian (ZEESM) hosi Oecusse-Ambeno, Mari Alkatiri.

Sentrál hanesan projetu ida ne'ebé implementa hosi ZEESM, iha modelu ida ne'ebé sei hanesan teste iha Timor-Leste no inklui forma foun sira hodi hala'o obra públiku sira, ho fiskalizasaun maka'as, no projetu sira ne'ebé integradu hosi dezenvolvimentu.

"Ami aprende daudaun no perfeisaun sei hetan iha prosesu rasik dezenvolvimentu nian, liuliu iha tempu ne'ebé kompetisaun boot entre nasaun sira ne'ebé hakarak dada investidór sira ba sira nia nasaun. No Timór lakohi lakon jigu ne'e, iha kompetisaun boot entre nasaun sira", afirma hosi Taur Matan Ruak. "Ne'e hanesan projetu-pilotu ida ne'ebé bele halo fali. Buat hotu depende hosi dalan oinsá ita jere no dezenvolve projetu ne'e iha ne'e", nia hatete.

Taur Matan Ruak fó hanoin katak iha "polo dezenvolvimentu sira seluk", hanesan iha kosta-súl iha área petrolíferu nian maibé tenki iha "ekilíbriu ida" entre dezenvolvimentu hosi zona urbanu sira no zona rurál sira ne'ebé sei iha problema sira.

Individualidade sira seluk, ne'ebé iha ona Oecusse ba komemorasaun sira loron 27 no 28 Novembru, vizita mós sentrál ne'ebé garanti ona fornesimentu elétriku tomak ba enklave.

"Parabéns ba projetu ne'ebé lori benefísiu boot ba povu Oecusse nian", nia hatete iha Mari Alkatiri nia sorin.

Sentrál, ne'ebé hahú harii ona iha Fevereiru 2015 no iha kapasidade instaladu ho 17 MW, funsiona de'it ho motór ida hosi motór haat, ho ida seluk halo ba rezerva bainhira iha problema. Motór ne'e hanesan sufisiente ba tempu agora tanba iha máximu 2 megawatt, hanesan esplika ba ajénsia Lusa hosi Tapio Ostman, responsável hosi konstrusaun unidade nian.

Ho orsamentu dolár millaun 37 sentrál ne'e harii hosi empreza PT Wartsila Indonézia, sosiedade ida hosi grupu finlandés Wartsila, ne'ebé iha loron 13 liubá asina ona ho ZEESM kontratu ida operasaun no manutensaun nian durante tinan lima.

Bainhira kontratu hotu, ZEESM sei analiza ba renovasaun ho Wartsila, ne'ebé sei forma ekipa timoroan sira ka sei entrega ba jestór sira seluk.

Konsumu hosi rejiaun sei aumenta maka'as bainhira funsiona infraestrutura sira seluk ne'ebé harii daudaun, liuliu aeroportu ne'ebé sei uza 4 megawatt.

publika husi sapotl às 14:33

Por António Sampaio (Agência Lusa)

 

Os investimentos que estão a ser feitos em Oecusse são a concretização de um sonho para os timorenses e uma recompensa para o povo do enclave que nunca abandonou a luta pela independência, disse hoje o Presidente da República.


 

"É uma grande conquista para nós, 500 anos depois. Este sítio, Oecusse, junta portugueses e timorenses, novamente aqui, para festejar o início de um grande projeto, de um grande sonho dos timorenses e em particular do povo de Oecusse", disse Taur Matan Ruak em declarações à Lusa.

 

"É uma forma também de recompensar os esforços e dedicação deles. Sempre se mantiveram firmes e determinados, lutando lado a lado com a parte maior de Timor para a independência. É um povo que tem um esprito, um nacionalismo, um patriotismo incomparável", afirmou.

 

Taur Matan Ruak falava à Lusa depois de visitar a nova central elétrica de Sacato, em Oecusse, onde chegou hoje para participar nas cerimónias dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste e do 40.º aniversário da proclamação de independência. "O passado serve de referência, de lição, para encarar o presente e buscar o futuro melhor para o nosso povo e nosso país", disse.

 

O chefe de Estado visitou a central acompanhado do presidente do Parlamento Nacional, do primeiro-ministro Rui Maria de Araújo e do responsável da Região Administrativa Especial e da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse-Ambeno, Mari Alkatiri.

 

A central é um dos projetos implementados pela ZEESM, num modelo que está a ser testado em Timor-Leste e que inclui novas formas de realizar obras públicas, com mais fiscalização, e projetos integrados de desenvolvimento.

 

"Estamos a aprender e a perfeição busca-se ao longo do próprio processo de desenvolvimento, sobretudo numa altura de grande competição entre os países que procuram atrair investidores para os seus países. E Timor não quer perder neste jogo, nesta grande competição entre os países", afirmou Taur Matan Ruak. "Este é um projeto-piloto que pode ser replicado. Tudo vai depender da forma como vamos gerir e desenvolver este projeto aqui", disse.

 

Taur Matan Ruak relembrou que há outros "polos de desenvolvimento", como os da costa sul no setor petrolífero, mas que é necessário um "equilíbrio" entre o desenvolvimento das zonas urbanas e das zonas rurais onde ainda há problemas.

 

Várias outras individualidades, que estão em Oecusse para as comemorações de 27 e 28 de novembro, visitaram também a central que está já a garantir todo o fornecimento elétrico ao enclave.

 

"Parabéns por este projeto que traz grandes benefícios ao povo de Oecusse", disse, ao lado de Mari Alkatiri.

 

A central, que começou a ser construída em fevereiro de 2015 e tem uma capacidade instalada de 17 MW, está a funcionar apenas com um dos quatro motores, com um outro de reserva para o caso de haver problemas. Esse motor é suficiente para a procura atual que atinge um máximo de 2 megawatts, como explicou à Lusa Tapio Ostman, responsável pela construção da unidade.

 

Com um orçamento de 37 milhões de dólares a central foi construída pela empresa PT Wartsila Indonésia, uma sociedade do grupo finlandês Wartsila, que no passado dia 13 assinou com a ZEESM um contrato de operação e manutenção durante 5 anos.

 

Findo esse contrato, a ZEESM analisará se renova ou não a concessão com a Wartsila, que vai formar já equipas timorenses, ou se a entrega a outros gestores.

 

O consumo da região deverá aumentar significativamente quando estiverem a funcionar outras infraestruturas já a ser construídas, nomeadamente o aeroporto que, por si só consumirá cerca de 4 megawatts.

publika husi sapotl às 13:42

25
Nov 15

Xanana Gusmão disse hoje que estão praticamente concluídos os preparativos para a inauguração sexta-feira da caravela que, em Lifau, no enclave de Oecusse, assinalará os 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste.


"Chegámos ao final. Foram dias e noites de trabalho, nos últimos 10 dias, mas penso que todo o pessoal que esteve aqui, esteve entusiasmado, deu o melhor de si", afirmou o ministro do Planeamento e Investimento Estratégico.

 

Xanana Gusmão falava no espaço, em Lifau, onde está a caravela em bronze construída em Vila Nova de Gaia e que vai ser inaugurada no próximo dia 27 de novembro, no âmbito das celebrações dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste.

 

Celebra-se ainda o 40º aniversário da proclamação da independência de Timor-Leste, com eventos paralelos que decorrem em Oecusse e em Díli e onde Portugal se fará representar pelo presidente do Tribunal Constitucional, Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

Xanana Gusmão conduzirá as celebrações em Taci Tolo, nos arredores de Díli, mas nas últimas semanas passou grande parte do tempo no enclave de Oecusse para os preparativos finais para as comemorações.

 

 

 

"Acredito que quando o pessoal chegar aqui vai dizer: valeu a pena todo o esforço. Um trabalho magnífico em que a colaboração entre as pessoas foi muito boa", disse a elementos do Centro de Arquivo Audiovisual Max Stahl.

 

"Mesmo quando não se compreendiam bem, por causa da língua. Todo o esforço que imprimiram no trabalho foi lindo. E se o trabalho foi bom, com um sorriso e muita alegria, a festa tem que ser de muita alegria", disse.

 

Ainda que não esteja totalmente concluídas as obras do complexo de Lifau avançaram significativamente desde que a reportagem da Lusa visitou o local, no passado dia 05 de novembro, altura em que a caravela foi instalada.

Trata-se de uma caravela de 8,5 toneladas em bronze, fabricada em Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, e que é o elemento central do novo monumento.

A obra, da autoria da Fundição Lage, foi comissionada pelo Ministério do Turismo timorense e está colocada ao lado do padrão que, durante décadas, marcou o local onde chegaram os primeiros portugueses à Ilha.

 

"É importante para nos lembrar que foram os portugueses que descobriram esta terra há 500 anos. Estamos a preparar-nos para celebrar a chegada dos portugueses, principalmente os padres católicos. Se não fosse o descobrimento daquela altura não sabemos onde estaríamos", disse na altura à Lusa o ministro do Turismo timorense, Francisco Kalbuadi.

 

A caravela, que é acompanhada de oito figuras também em bronze - o navegador, o padre, o porta-estandarte, dois marinheiros e três timorenses - está no centro de um círculo que domina o novo monumento, ainda em construção.

 

"Em conjunto todos os componentes da obra pesam cerca de 10 toneladas. É metade de uma caravela original. Pesa cerca de 8 toneladas e meia, só a caravela, e no total cerca de 10 toneladas. Tem 13 metros de comprimento, uma altura de 4,3 metros e uma largura de cerca de 3,2 metros", disse à Lusa Fernando Lage, responsável da fundição.

 

"Tem uma estrutura interior e a única estrutura que não é em bronze são as velas", comentou Lage, que veio a Timor para supervisionar a instalação da caravela.

 

Em declarações à Lusa, recordou a ideia por trás do monumento que, considera, vai ser chamariz para a região.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 06:14

18
Nov 15

Espetákulu hosi marioneta sira no ofisina ida eskrita nian hosi kontu tradisionál timoroan sira nian hanesan atividade balun ne'ebé planeadu ona ba fulan ne'e iha Timor-Leste hodi komemora tinan 500 bainhira navegadór portugés sira to'o iha illa ne'e.

 


Grupu portugés S.A. Marionetas sei halo espetákulu rua iha tékniku teatru hosi Robertos  nian, tradisaun antigu liu hosi arte séniku nian, la'ós de'it hosi parte portugeza no europeiu maibé mós iha asuwa'in populár sira hosi oriente.

Espetákulu "D. Roberto" sei aprezenta iha loron 26 Novembru iha Oecusse, iha Sentru Aprendizajen no Formasaun Eskolár Timor-Leste (CAFE) nian, no sei repete iha loron 30 Novembru iha Escola Portuguesa Ruy Cinatti, iha Díli.

Iha loron 28 Novembru sei iha espetákulu oinseluk ida iha sede Fundasaun Oriente nian iha Díli, ne'ebé hanesan responsável, no organiza hamutuk ho Embaixada Portugal.

Iha eventu seluk, hala'o iha loron 21 Novembru, iha mós sede Fundasaun Oriente nian, Ofisina ida Redasaun hosi Kontu Tradisionál sira Timor-Leste nian iha Lian Portugeza no Sesaun ida Leitura hosi Kontu Tradisionál sira.

Hahú loron-sábadu tuirmai sei hatudu mós espozisaun fotografia sira hosi militár portugés ida ne'ebé uluk iha Timor-Leste iha dékada 60 iha sékulu liubá.

Espozisaun "Um olhar sobre Timor - Anos 60", ne'ebé sei hatudu to'o tinan ne'e nia rohan iha delegasaun hosi Fundasaun Oriente nian iha Díli, hanesan hatudu kulturál oioin nebe iha ligasaun ho selebrasaun tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha Timór, ne'ebé nia pontu aas liu maka komemorasaun ofisiál sira iha loron 27 no 28 Novembru.

Autór hosi fotografia sira sanulu resin ne'ebé sei hatudu ba dala uluk iha Timor-Leste maka komandante António Sérgio Cardoso, militár portugés ida ne'ebé uluk destaka iha nasaun ne'e. Rejista aspetu loron-loron hosi populasaun lokál sira nia moris, hosi festa sira no kultura timoroan nian.

Governu timoroan halo ona programa boot ida, ho atividade sanulu resin, ne'ebé iha fatin oioin Timor-Leste sei selebra tinan 500 bainhira portugés sira to'o iha nasaun, afirmasaun hosi identidade timoroan nian no tinan 40 ba deklarasaun unilaterál independénsia nian.

ho Lusa

publika husi sapotl às 14:28

Espetáculos de marionetas e uma oficina de escrita de contos tradicionais timorenses são algumas das múltiplas atividades planeadas para este mês em Timor-Leste para comemorar os 500 anos da chegada de navegadores portugueses.

 


O grupo português S.A. Marionetas tem previstos dois espetáculos na técnica do teatro de Robertos, uma das tradições mais antigas das artes cénicas, não só na sua vertente portuguesa e europeia, mas também nos heróis populares do oriente.

O espetáculo "D. Roberto" será apresentado a 26 de novembro em Oecusse, no Centro de Aprendizagem e Formação Escolar de Timor-Leste (CAFE), e repetido no dia 30 de novembro na Escola Portuguesa Ruy Cinatti, em Díli.

A 28 de novembro haverá um espetáculo diferente na sede da Fundação Oriente em Díli, responsável, em parceria com a Embaixada de Portugal, pela organização.

Num outro evento, decorre a 21 de novembro, também na sede da Fundação Oriente, uma Oficina de Redação de Contos Tradicionais de Timor-Leste em Língua Portuguesa e uma Sessão de Leitura de Contos Tradicionais.

A partir do próximo sábado estará também em exibição uma exposição de fotografias de um militar português que esteve em Timor-Leste na década de 60 do século passado.

A exposição "Um olhar sobre Timor - Anos 60", que estará patente até final do ano na delegação da Fundação Oriente em Díli, é uma de várias mostraa culturais associadas aos festejos dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor, que têm como ponto alto as comemorações oficiais a 27 e 28 de novembro.

O autor das dezenas de fotografias que estarão expostas pela primeira vez em Timor-Leste é o comandante António Sérgio Cardoso, um militar português que esteve destacado no país. Registam aspetos do dia-a-dia da vida das populações locais, das festas e romarias e da cultura timorense.

O Governo timorense desenhou um extenso programa, com dezenas de atividades, que assinala em vários pontos de Timor-Leste os 500 anos da chegada dos portugueses ao país, a afirmação da identidade timorense e o 40.º aniversário da declaração unilateral da independência.

com Lusa

publika husi sapotl às 14:04

06
Nov 15

Ró caravela nebe halo ho bronze iha Oliveira do Doura hanesan monumento foun iha Lifau.

 

publika husi sapotl às 17:32

Primeiru-ministru timoroan vizita iha loron-sesta fatin nebe ekipa ida hosi empreza portugeza ida harii daudaun klínika espesiál dahuluk nebe iha funsaun oioin iha enklave Oecusse, nebe karik sei hahú funsaun iha fulan-Marsu 2016.


Primeiru-ministru timoroan vizia ona fatin hodi harii klínika espesiál nebe iha funsaun oioin iha Oecusse. Foto: Gabinete do Primeiro-Ministro

 

Rui Maria de Araújo, akompaña hosi responsável hosi autoridade rejionál hosi enklave Oecusse, Mari Alkatiri, vizita ona fatin ne'e hodi hakotu nia vizita iha semana ne'e iha Oecusse, no nia hatete progresu sira hosi projetu oioin nebe hala'o daudaun.

 

Dezeña hosi grupu Interway, klínika ne'e instala daudaun hosi ekipa ida ho elementu na'in 50 resin, nebe na'in 11 hanesan ema portugés, ho faze dahuluk previstu ba fulan ne'e nia rohan bainhira Oecusse simu selebrasaun sira tinan 500 bainhira ema portugés sira to'o iha Timor-Leste.

 

Klínika Espesiál Polivalente iha Oecusse, preparadu ba kama 24 no kuartu VIP neen, inklui unidade kompletu ida ho meiu diagnóstiku sira, aleinde área sira konsulta jerál nian, urjénsia sira, bloku operatóriu, sentrál oksijéniu nian, sala sira estabilizasaun nian no serbisu sira hosi konsulta externu hosi espesialidade oioin (radiolojia, ekografia no seluk tan).

 

 

Sei iha mós farmásia ida no laboratóriu kompletu ida hosi análize klíniku sira, ho teknolojia modernu, nebe sei inklui tratamentu hosi rezíduo sira no autonomia enerjétiku.

 

Hanesan projetu ida nebe aprovadu hosi Zona Espesiál Ekonomia Sosiál Merkadu nian (ZEESM) nebe relasionadu ho programa boot hosi investimentu públiku hosi Rejiaun Administrativu Espesiál Oecusse, Ambeno, no hosi Governu timoroan nian.

 

Tinan ne'e haruka ona ba rejiaun osan dolár millaun 90 resin, no hanoin ona millaun 200 resin ba tinan 2016, ho projetu estruturál oioin nebe hala'o daudaun, inklui sentral eletríku ida, estrada sira, aeroportu, ponte sira no projetu sira irigasaun nian, no sira seluk tan.

 

Fernando Figueiredo, sósiu-jerente hosi empreza Interway, responsável ba projetu, destaka ona ba xefe Governu timoroan, vontade hodi "hatán ba dezafiu" nebe fó hosi prezidente rejiaun nian, Mari Alkatiri, hodi aposta iha "diferensiasaun" no iha vontade hodi "harii kualidade moris ida nebe di'ak ba timoroan sira hotu, lahó exsepsaun".

 

"Iha projetu ne'e, iha loron 28 oinmai sei taka área hamutuk 1.300 metru kuadradu, koresponde ba faze dahuluk no sei hahú operasaun iha fulan-Marsu 2016 nia rohan", nia hatete.

 

Klínika ne'e instala daudaun iha fatin ida nebe sei sai hanesan "kampus saúde nian" previstu iha planu urbanu foun hosi Pante Makasar, kapitál hosi enklave Oecusse-Ambeno, nebe iha fulan hirak ikus ne'e iha movimentu maka'as, tanba projetu oioin nebe hala'o daudaun.

 

Dezde tama iha Timor-Leste, Interway hatama ona iha ekonomia lokál "besik millaun dolar ida", hatete hosi Fernando Figueiredo, hodi hatutan katak empreza "fiar iha projetu hosi ekonomia sosiál merkadu nian" nebe dezenvolve daudaun iha rejiaun.

 

Ho investimentu iha Timor-Leste, grupu Interway aumenta tan Estadu-membru ida hosi CPLP ba nia mundu emprezariál, hafoin projetu sira iha Angola, Brazil, Guiné Ekuatoriál, Mosambike no Portugal, nebe tau hamutuk mós projetu sira iha España no Emiradu Árabe Unidu.

 

Harii iha 2003 no ho sede iha Lisboa, grupu atua hanesan plataforma negósiu sira nebe foka iha dezenvolvimentu no implementasaun hosi projetu sira no buka oportunidade foun sira iha merkadu sira nebe iha daudaun dezenvolvimentu.

 

Interway TL hanesan empreza dahuluk hosi kapitál portugés nebe maka rejista iha Oecusse, nebe halo operasaun hosi kompañia portugés oioin, barak liu fiskaliza iha projetu infraestrutura boot sira.

 

Empreza hakarak investe fali nia rezultadu sira iha Timor-Leste iha 2016, iha projetu foun ida nebe hosi investimentu privadu tomak iha nasaun.

 

ho Lusa

publika husi sapotl às 15:21

O primeiro-ministro timorense visitou hoje o local onde uma equipa de uma empresa portuguesa está a construir a primeira clínica especial polivalente do enclave de Oecusse, que deverá estar operacional em Março de 2016.

 

O primeiro -ministro timorense visitou o local onde está a ser construido a primeira clínica especial polivalente em Oecusse. Foto: Gabinete do Primeiro-Ministro


Rui Maria de Araújo, acompanhado pelo responsável da autoridade regional do enclave de Oecusse, Mari Alkatiri, visitou o local no final da sua visita esta semana a Oecusse, durante a qual constatou os progressos dos vários projectos em curso.

 

Desenhada pelo grupo Interway, a clínica está a ser instalada por uma equipa de cerca de 50 elementos, dos quais 11 portugueses, com a primeira fase prevista para final do mês quando Oecusse acolhe as celebrações dos 500 anos da chegada dos portugueses a Timor-Leste.

 

A Clínica Especial Polivalente do Oecusse, preparada para 24 camas e seis quartos VIP, inclui uma unidade completa de meios de diagnóstico, além das áreas de consulta geral, urgências, bloco operatório, central de oxigénio, salas de estabilização e todo o serviço de consultas externas de várias especialidades (radiologia, ecografia entre outros.

 

 

Está ainda prevista uma farmácia e um laboratório completo de análises clínicas, com tecnologia moderna, que incluirá tratamento de resíduos e autonomia energética.

 

Trata-se de um dos projectos aprovados pela Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) no âmbito de um amplo programa de investimento público da Região Administrativa Especial de Oecusse, Ambeno, e do Governo timorense.

 

Este ano foram já canalizados para a região cerca de 90 milhões de dólares, estando previstos cerca de 200 milhões para 2016, com vários projectos estruturais a decorrer, incluindo uma central eléctrica, aeroporto, estradas e pontes e projectos de irrigação, entre outros.

 

Fernando Figueiredo, sócio-gerente da empresa Interway, responsável pelo projecto destacou ao chefe do Governo timorense, a vontade de "responder ao desafio" colocado pelo presidente da região, Mari Alkatiri, apostando na "diferenciação" e na vontade de "criar uma melhor qualidade de vida para todos os timorenses, sem excepção".

 

"Neste projecto, no próximo dia 28 encontrarão 1.300 metros quadrados de área coberta, correspondente à primeira fase e que estará totalmente operacional em finais de Março de 2016", disse.

 

A clínica está a ser instalada no que será um quase ‘campus da saúde' previsto no novo plano urbano de Pante Macassar, a capital do enclave de Oecusse-Ambeno, que regista há vários meses movimento sem precedentes, devido aos vários projectos em curso.

 

Desde que está em Timor-Leste, a Interway já injectou na economia local "cerca de meio milhão de dólares", disse Fernando Figueiredo, acrescentando que a empresa "acredita no projecto da economia social de mercado" que está a ser desenvolvido na região.

 

Com o investimento em Timor-Leste, o grupo Interway junta mais um Estado-membro da CPLP ao seu universo empresarial, depois de projectos em Angola, Brasil, Guiné Equatorial, Moçambique e Portugal, a que se somam ainda projectos em Espanha e Emirados Árabes Unidos.

 

Fundado em 2003 e com sede em Lisboa, o grupo actua como plataforma de negócios focalizada no desenvolvimento e implementação de projectos e procura de novas oportunidades, em mercados emergentes.

 

A Interway TL é a primeira empresa de capital português registada em Oecusse, onde estão a operar várias companhias portuguesas, a maioria a fiscalizar os grandes projectos de infraestruturas.

 

A empresa prevê reinvestir os seus resultados em Timor-Leste em 2016, num novo projecto totalmente de investimento privado no país.

 

com Lusa

publika husi sapotl às 14:18

Rai-rahun, mákina sira, kamiaun sira no rai-kuak hosi obra sira hanesan elementu dominante sira hosi kilómetru ualua entre Lifau, nebe iha tinan 500 liubá portugés dahuluk sira to'o iha Timor-Leste, no sentrál elétriku foun hosi Sakato, iha enklave Oecusse.


 Feto na'in rua la'o iha paseiu iha tasi-ibun Oecussi nian.  EPA@ António Amaral


Rai-rahun, mákina sira, kamiaun sira no rai-kuak hosi obra sira hanesan elementu dominante sira hosi kilómetru ualua entre Lifau, nebe iha tinan 500 liubá portugés dahuluk sira to'o iha Timor-Leste, no sentrál elétriku foun hosi Sakato, iha enklave Oecusse.

 

Izoladu durante sékulu lima ikus ne'e no dalabarak ema haluha, durante okupasaun indonéziu no mós iha períudu independénsia nian, Oecusse iha loron ohin moris iha movimentu ida nebe nunka akontese.

 

Empreza sanulu resin serbisu iha rai laran, projeti barak maka halo daudaun iha tempu hanesan, númeru hosi ema estranjeiru sira aas liu duké tinan sira seluk - ema portugés sira de'it hamutuk na'in 50 resin - no kuantidade importante ida hosi Orsamentu Estadu nian haruka daudaun ba rejiaun.

 

Iha 2015, osan dolár millaun 90 resin, iha tinan oinmai sei haruka dolár millaun 200 resin, nebe hamutuk ho projetu hosi empreza privadu sira hanesan Interway, nebe kontratadu hodi harii klínika foun ida no hanesan empreza portugés dahuluk nebe rejistadu iha Oecusse.

 

Sei falta investimentu estranjeiru boot nebe promete tiha ona, maibé autoridade rejionál no nasionál sira insisti katak seidauk bele hanoin ne'e tanba seidauk iha infraestrutura báziku sira hosi rejiaun ida nebe, iha dékada barak nia laran, laiha investimentu ruma.

 

Agora zona tomak sai hanesan estaleiru boot ida, ho estrada foun sira, ponte sira, sentrál elétriku ida, hotél ida, projetu sira hosi irigasaun no estrutura administrativu foun sira, iha nível oioin nebe atu halo hotu.

 

Sentrál sei prontu iha semana sira tuirmai ne'e, monumentu foun iha Lifau sei demora fulan barak no hotél foun - nebe hahú iha tinan ida liubá - nebe seidauk harii aleinde pilár sira.

 

Estrada ho kilómetru resin maka halo iha tempu hanesan, ho valeta no paseiu sira, iha projetu sira iha agrikultura no infraestrutura saúde foun sira, no sira seluk tan. Buat hotu ho modelu sira nebe nunka akontese iha jestaun - iha fulan-Janeiru de'it maka Governu timoroan formaliza ona "transferénsia hosi kbiit sira no fó fali kompeténsia sira" hosi Governu sentrál ba Autoridade hosi Rejiaun Administrativu Espesiál hosi Oecusse Ambeno.

 

No harii mós dalan hodi hala'o projetu sira: obra boot sira hetan daudaun fiskalizasaun, barak liu halo hosi empreza portugés sira, nebe implika kritériu apertadu sira iha kualidade ezekusaun no modelu foun sira nebe sei aplika, ho posibilidade, ba obra boot sira nebe sei halo iha nasaun. Loja sira, uma sira, negósiu ki'ik sira nebe hatudu komunidade ida ho populasaun rihun 70 (iha kapitál besik rihun 10 resin) nakloka hafoin nonook ida nebe provoka hosi eskesimentu.

 

Ligasaun regulár sira liuhosi tasi (no hahú iha semana ne'e liuhosi ár) hatudu interese maka'as iha enklave, ho pasajeiru sira nebe aumenta no mós negósiu nebe aumenta hodi hatán ba pedidu sira nebe nunka akontese iha enklave.

 

Pedidu sira barak nune'e halo merkadu ki'ik la preparadu ba furakaun hosi obra sira, dalabarak senti nesesidade liuliu hosi produtu importante sira hanesan simenti ka materiál sira seluk konstrusaun nian.

 

Lori sasán hosi Díli karun tebes - kontentór ida nebe ho folin dolár 5.000 ba viajen hosi Europa to'o Díli bele kusta rihun 20 hosi de'it Díli to'o Oecusse - nune'e maka uza liu rekursu hosi fatin indonéziu nian.

 

Maski nune'e, Díli hanesan rekursu hosi hamosu negósiu foun sira - loke ona restaurante oioin, hanoin ona serbisu sira seluk no loke ona "filiál" ida hosi diskoteka úniku hosi Timor-Leste.

 

Maski ho buat sira ne'e, no ho rai-rahun nebe domina iha ár, iha mós karakterístika nebe Oecusse seidauk muda, hanesan importánsia hosi tasi ka burokrasia iha rai laran, ho fronteira rua timoroan nian no rua hosi parte indonéziu nian.

 

No ikusmai ha'u ko'alia kona-bá ema sira iha enklave, hanoin tempu antigu sira, nebe labarik ki'ik sira - no sira nebe ladún ki'ik - sei kumprimenta ema estranjeiru sira nebe liu hodi hakilar ba sira "bo tardi".

 

ho Lusa

publika husi sapotl às 12:28

Oecusse, enklave timoroan nebe ohin loron nakonu ho rai-rahun.

 

publika husi sapotl às 11:31

Pó, máquinas, camiões e buracos de obras são os elementos dominantes dos oito quilómetros entre Lifau, onde há 500 anos chegaram os primeiros portugueses a Timor-Leste, e a nova central elétrica de Sakato, no enclave de Oecusse.


Duas mulheres passam pelo passeio da Praia de Oecussi. EPA@ António Amaral

Isolado durante os últimos cinco séculos e praticamente esquecido, quer durante a ocupação indonésia, quer durante o período da independência, Oecusse está hoje a viver um movimento sem precedentes.

 

Dezenas de empresas trabalham no terreno, inúmeros projetos estão a ser feitos ao mesmo tempo, o número de estrangeiros é o mais elevado em muitos anos - só portugueses são cerca de 50 - e uma fatia significativa do Orçamento do Estado está canalizado para a região.

 

Em 2015, foram mais de 90 milhões de dólares (82,6 milhões de euros), no próximo ano deverão ser cerca de 200 milhões de dólares (183,7 milhões de euros), a que se somam projetos de empresas privadas como a Interway, contratada para construir uma nova clínica e que foi a primeira empresa portuguesa registada em Oecusse.

 

Ainda faltam os grandes investimentos estrangeiros prometidos, mas as autoridades regionais e nacionais insistem que é impensável conseguir isso sem as infraestruturas básicas de uma região onde, durante décadas, praticamente não se investiu.

 

Agora toda a zona é um gigantesco estaleiro, com novas estradas, pontes, uma central elétrica, um hotel, projetos de irrigação e novas estruturas administrativas, a níveis diferentes de conclusão.

 

A central vai estar pronta nas próximas semanas, o novo monumento de Lifau deverá demorar alguns meses e o novo hotel - que começou há um ano - ainda praticamente não passou de pilares.

 

Quilómetros de estradas estão a ser feitos ao mesmo tempo, com valas e passeios, há projetos na agricultura e novas infraestruturas de saúde, entre outras. Tudo com modelos sem precedentes de gestão - só em janeiro é que o Governo timorense formalizou a "transferência de poderes e devolução de competências" do Governo central para a Autoridade da Região Administrativa Especial de Oecusse Ambeno.

 

E onde se criam precedentes na forma de gerir projetos: todas as grandes obras estão a ser fiscalizadas, a maioria por empresas portuguesas, o que implica critérios apertados como nunca na qualidade da execução e novos modelos a aplicar, possivelmente, às futuras grandes obras do país. Lojas, casas, pequenos negócios que mostram uma comunidade de 70 mil habitantes (na capital são cerca de 10 mil) a despertar depois de uma letargia provocada pelo abandono e esquecimento.

 

As ligações regulares por mar (e desde esta semana por ar) evidenciam o crescente interesse do enclave, com cada vez mais passageiros e cada vez mais negócios, procurando responder a uma procura também sem precedentes.

 

A procura é tanta que o pequeno mercado, que não estava minimamente preparado para este furacão de obras, muitas vezes sente carências, inclusive de produtos essenciais como cimento ou outro material de construção.

 

Transportar coisas de Díli é caríssimo - um contentor que custe 5.000 dólares para viajar da Europa até Díli pode custar 20 mil só para ir de Díli até Oecusse - pelo que o lado indonésio da ilha de Timor é o recurso mais usado.

 

Apesar disso, Díli é o recurso para alimentar novos negócios - já abriram vários restaurantes, estão pensados outros serviços e até vai abrir uma 'filial' da única discoteca de Timor-Leste.

 

Apesar de tudo isto, e do pó que domina o ar, há no entanto algumas características que em Oecusse ainda não mudaram, como a importância do mar ou a burocracia em terra, com duas fronteiras timorenses e duas indonésias.

 

E finalmente o trato de quem é destas bandas, a recordar períodos antigos, onde os putos - e os menos putos - ainda acenam aos estrangeiros que passam, gritando-lhes "bo tardi".

 

com Lusa

publika husi sapotl às 11:25

05
Nov 15

Primeiru-ministru timoroan konsidera iha loron-kinta ne'e katak hanesan "la elegante" Portugal la haruka reprezentante ruma ba selebrasaun hosi tinan 500 bainhira navegadór portugés sira to'o iha Timor-Leste, nebe akontese iha fulan ne'e.

 


"Ami husu hela komprensaun hosi Estadu portugés tanba ne'e hanesan selebrasaun dia hosi enkontru entre sivilziasaun rua. Hanesan la elegante bainhira laiha reprezentante hosi Estadu portugés iha ne'e", hatete hosi Rui Maria de Araújo ba ajénsia Lusa.

Rui Maria de Araújo ko'ali ba Lusa hafoin prezidi tiha reuniaun hosi Komisaun Kordenasaun no Akompañamentu hosi Rejiaun Administrativu Espesiál Oecusse Ambeno, nebe hala'o iha zona Portu Mahata, iha Ponte Makasar, Oecusse.

Enkontru ne'e hala'o iha fulan ida antes Oecusse simu selebrasaun ba tinan 40 hosi proklamasaun unilaterál ba independénsia Timor-Leste nian no ba tinan 500 bainhira navegadór portugés sira to'o iha tasi-ibun Lifau, iha enklave ne'e.

Fonte diplomátiku portugés hatete ba Lusa katak, to'o agora daudaun, laiha konfirmasaun hosi sé maka sei reprezenta Portugal iha komemorasaun sira.

Visi-ministru hosi Ministériu Negósiu Estranjeiru Timor-Leste nian, Roberto Soares, hatete iha semana ne'e ba jornalista sira katak Prezidente Repúblika Portugal nian, Cavaco Silva, hatete ona katak labele partisipa, ho instabilidade polítika iha Governu sei halo susar atu haruka ema ruma hosi ezekutivu.

"Tuir nota formal ida nebe simu ona, Prezidente Repúblika portugés aprezenta ona nia deskulpa tanba labele partisipa iha eventu ne'e, tanba nia iha kompromisu sira seluk relasionadu ho interese hosi ema portugés sira nian rasik", hatete hosi Roberto Soares.

Selebrasaun sira inklui inaugurasaun hosi monumentu foun ida iha Lifau, hamutuk ho padraun nebe selebra portugés sira bainhira tama iha Timor-Leste, iha loron 18 Agostu 1515 no, iha azuleju sira iha rai hakerek fraze "aqui também é Portugal".

Prezidente saun-tomense, primeiru-ministru hosi Cabo Verde no prínsipe hosi Mónako konfirma ona katak sira sei marka prezensa iha selebrasaun sira, nebe previstu ba loron 27 no 28 Novembru no sei hala'o iha Lifau no iha Ponte Makasar, kapitál enklave nian.

Rejiaun rejista movimentu ida nebe nunka akontese antes ho obra sira nebe sei iha folin dolár millaun sanulu resin, inklui sentrál elétriku foun ida, estrada sira, ponte sira, hotel foun ida no klínika médiku no infraestrutura sira seluk.

A região regista um movimento sem precedentes com obras avaliadas em dezenas de milhões de dólares a decorrer, incluindo uma nova central elétrica, estradas, pontes, um novo hotel e clínica médica e outras infraestruturas.

Alojamentu alternativu, inklui hotel pré-fabrikadu ida, prepara daudaun hodi simu konvidadu sira importante liu, ho sira seluk sei fahe hosi hotel sira, pensaun sira, uma sira Estadu nian no uma partikulár sira iha Ponte Makasar.

ho Lusa

publika husi sapotl às 14:05

O primeiro-ministro timorense considerou hoje que seria "deselegante" Portugal não enviar qualquer representante para as celebrações do 500.º aniversário da chegada dos navegadores portugueses a Timor-Leste, que decorrem este mês.

 


"Estamos a tentar pedir a compreensão do Estado português para o facto de isto ser uma celebração de encontro de duas civilizações. Seria deselegante não estar aqui um representante do Estado português", disse Rui Maria de Araújo à agência Lusa.

Rui Maria de Araújo falava à Lusa depois de presidir à reunião da Comissão de Coordenação e Acompanhamento da Região Administrativa Especial de Oecusse Ambeno, que decorre na zona de Porto Mahata, em Ponte Macassar, Oecusse.

O encontro ocorre menos de um mês antes de Oecusse acolher as celebrações do 40.º aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste e dos 500 anos da chegada de navegadores portugueses à praia de Lifau, neste enclave.

Fonte diplomática portuguesa disse à Lusa que, até ao momento, não há ainda confirmação de quem representará Portugal nas comemorações.

O vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Roberto Soares, disse esta semana aos jornalistas que o Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, informou não poder participar, com a instabilidade política em torno ao Governo a dificultar o envio de alguém do executivo.

"De acordo com uma nota formal que foi recebida, o Presidente da República português já apresentou as suas enormes desculpas por não poder participar neste evento, porque ele tem outros compromissos relacionados com os interesses próprios dos portugueses", disse Roberto Soares.

As celebrações incluem a inauguração de um novo monumento em Lifau, ao lado do padrão que assinala a chegada dos portugueses a Timor-Leste a 18 de agosto de 1515 e que, outrora tinha escrita, em azulejos no chão, a frase "aqui também é Portugal".

O Presidente são-tomense, o primeiro-ministro cabo-verdiano e o príncipe do Mónaco confirmaram já que vão estar presentes nas celebrações, previstas para 27 e 28 de novembro e que decorrem em Lifau e em Ponte Macassar, a capital do enclave.

A região regista um movimento sem precedentes com obras avaliadas em dezenas de milhões de dólares a decorrer, incluindo uma nova central elétrica, estradas, pontes, um novo hotel e clínica médica e outras infraestruturas.

"Temos que ser realistas. Vamos ter de receber os nossos visitantes e dignatários na base das condições que nós temos mas sempre com a dignidade que esses visitantes merecem", explicou.

Alojamento alternativo, incluindo um hotel pré-fabricado, está a ser preparado para acolher os convidados mais importantes, com os restantes a serem divididos pelos hotéis, pensões, casas do Estado e casas particulares em Ponte Macassar.

com Lusa

publika husi sapotl às 13:42

Janeiru 2016
Dom
Seg
Ter
Kua
Kin
Ses
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arkivu
tags

tags hotu-hotu

konaba ba ha'u
Peskiza
 
blogs SAPO