da chegada das caravelas

05
Nov 15

O primeiro-ministro timorense considerou hoje que seria "deselegante" Portugal não enviar qualquer representante para as celebrações do 500.º aniversário da chegada dos navegadores portugueses a Timor-Leste, que decorrem este mês.

 


"Estamos a tentar pedir a compreensão do Estado português para o facto de isto ser uma celebração de encontro de duas civilizações. Seria deselegante não estar aqui um representante do Estado português", disse Rui Maria de Araújo à agência Lusa.

Rui Maria de Araújo falava à Lusa depois de presidir à reunião da Comissão de Coordenação e Acompanhamento da Região Administrativa Especial de Oecusse Ambeno, que decorre na zona de Porto Mahata, em Ponte Macassar, Oecusse.

O encontro ocorre menos de um mês antes de Oecusse acolher as celebrações do 40.º aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste e dos 500 anos da chegada de navegadores portugueses à praia de Lifau, neste enclave.

Fonte diplomática portuguesa disse à Lusa que, até ao momento, não há ainda confirmação de quem representará Portugal nas comemorações.

O vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Roberto Soares, disse esta semana aos jornalistas que o Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, informou não poder participar, com a instabilidade política em torno ao Governo a dificultar o envio de alguém do executivo.

"De acordo com uma nota formal que foi recebida, o Presidente da República português já apresentou as suas enormes desculpas por não poder participar neste evento, porque ele tem outros compromissos relacionados com os interesses próprios dos portugueses", disse Roberto Soares.

As celebrações incluem a inauguração de um novo monumento em Lifau, ao lado do padrão que assinala a chegada dos portugueses a Timor-Leste a 18 de agosto de 1515 e que, outrora tinha escrita, em azulejos no chão, a frase "aqui também é Portugal".

O Presidente são-tomense, o primeiro-ministro cabo-verdiano e o príncipe do Mónaco confirmaram já que vão estar presentes nas celebrações, previstas para 27 e 28 de novembro e que decorrem em Lifau e em Ponte Macassar, a capital do enclave.

A região regista um movimento sem precedentes com obras avaliadas em dezenas de milhões de dólares a decorrer, incluindo uma nova central elétrica, estradas, pontes, um novo hotel e clínica médica e outras infraestruturas.

"Temos que ser realistas. Vamos ter de receber os nossos visitantes e dignatários na base das condições que nós temos mas sempre com a dignidade que esses visitantes merecem", explicou.

Alojamento alternativo, incluindo um hotel pré-fabricado, está a ser preparado para acolher os convidados mais importantes, com os restantes a serem divididos pelos hotéis, pensões, casas do Estado e casas particulares em Ponte Macassar.

com Lusa

publika husi sapotl às 13:42

Novembru 2015
Dom
Seg
Ter
Kua
Kin
Ses
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
20
21

22



arkivu
tags

tags hotu-hotu

konaba ba ha'u
Peskiza
 
blogs SAPO