da chegada das caravelas

28
Nov 15

Inauguração do Momumento em Lifau, Oecusse, no dia 27 de Novembro 2015.

Inaugurasaun ba Monumentu iha Lifau, Oecusse, iha loron 27 fulan-Novembru 2015.


Fonte: Gabinete da Primeira-Dama de Timor-Leste

 

publika husi sapotl às 20:07

Relijiaun katólika no lia-portugés, eransa prinsipál rua hosi tinan 500 kontaktu entre portugés ho timoroan sira, marka horisehik serimónia inaugurasaun ba monumentu ne’ebé rekorda relasaun hirak ne’e iha tasi-ibun Lifau, Oekusi, Timor-Leste.


 Foto: Gabinete Primeira-dama

 

Ró bronze ida ho vela mutin rua enfeita ho Kristu nia krús kór-mean, iha plataforma sirkulár ho simentu iha tasi, iha tasi-ibun ne’ebé uluk iha padraun ne’ebé simples tebes marka  ho fatik ki’ik sira, portugés sira tama iha Timór.

 

Iha ne’e mak iha tinan 500 liubá, primeiru portugés sira tau ain iha Timór. Signifikadu hosi primeira vizita, no sékulu lima tuir mai, evidensia horisehik, iha loro-kraik no hafoin misa durante oras rua resin.

 

No la’ós de’it sá mak momentu ne’e reprezenta: timoroan sira, hafoin tinan 500 hili hanesan símbolu ida hosi nia identidade buat ne’ebé hanesan mós símbolu boot Portugál nian, “caravela”.

 

Nein pelumenus iha diskursu ho portugés hosi xefe Estadu, Taur Matan Ruak no, hanesan ho serimónia sira seluk- pontu aas hosi selebrasaun tinan 500 iha relasaun entre povu rua ne’e – tranzmite diretu ba nasaun hotu liuhosi televizaun nasionál.

 

Lasu sai forte liu tan iha momentu sira seluk mak la tama iha hosi protokolu serimónia ne’e, iha ne’ebé partisipa prinsipál figura sira hosi Estadu timoroan, prezidente Tribunál Konstitusionál portugés, Joaquim de Sousa Ribeiro no ministru sira CPLP nian balun, no sira seluk tan.

 

Ahi-artifísiu lakan no tarutu, timoroan atus forma hodi hasai foto iha ró nia sorin no entre figura ualu ho bronze ne’ebé marka primeiru kontaktu ne’e.

 

Entre sira ne’e, pelumenus iha na’in rua hatais kamizola Fretilin nian (Frente Revolucionária do Timor-Leste independente) – partidu ne’ebé ohin halo tinan 40, proklama independénsia Timor-Leste nian- no xefe-tradisionál balun, sira seluk ne’ebé, iha sékulu lima liubá hanesan ne’ebé hakohak uluk katolisizmu iha illa.

 

Importánsia hosi momentu ne’e, no uniaun entre povu sua sai forte liu tan bainhira monumentu formalmente hetan inaugurasaun no Hasai tiha hena kór-laranja sira ne’ebé taka figura neen hosi ualu, ne’ebé ho bronze, mak akompaña obra ne’e- neen iha rai no rua iha ró.

 

Sira ne’ebé loke hena mak reprezentante sira hosi Estadu timoroan no portugés no hosi Igreja: prezidente Parlamentu Nasionál timoroan, Vicente da Silva Guterres, bispu Baukau nian Basílio do Nascimento, xefe Estadu, Taur Matan Ruak, primeiru-ministru, Rui Maria de Araújo no reprezentante hosi Estadu portugés, Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

Xefe tradisionál Oekusi, Zeferino da Cruz Sau, relembra no fó sai kona-ba relasaun ne’e hodi esplika katak molok serimónia ne’ehalo uluk serimónia balun, ne’ebé protokolár tebes, líder tradisionál sira halo ho mistisizmu no 'lulik', lulik hosi animizmu timoroan.

 

"Istória ne’e akontese iha tinan 500 liubá iha Lifau. No lembransa ida ne’e lori hosi jerasaun ba jerasaun to’o agora. Hanesan hatete iha monumentu ne’e, iha ne’e mós Portugál. Ami nunka haluha ida ne’e no mós nunka haluha ami-nia istória", nia hatete.

 

Sé mak haree grupu labarik ne’ebé entrega oferta ba bispu timoroan sira, Basílio do Nascimento no Norberto do Amaral, iha inisíu hosi misa, oras ne’e seidauk bele haluha.

 

Ne’ebé ho liman doko bandeira timoroan no kesi fita portugés iha kanotak.

 

SAPO TL ho Lusa

publika husi sapotl às 04:24

Por António Sampaio da agência Lusa


A religião católica e a língua portuguesa, as duas principais heranças dos 500 anos de contacto entre portugueses e timorenses, marcaram ontem as cerimónias de inauguração do monumento que recorda essas relações na praia de Lifau, Oecusse, Timor-Leste.


  Foto: Gabinete da Primeira-dama

 

Uma caravela em bronze, com duas velas brancas decoradas com a cruz de Cristo vermelha, está elevada sobre várias plataformas circulares de cimento junto ao mar, na praia onde outrora um padrão mais singelo marcava, em pequenas pedras, a chegada dos portugueses.

 

Foi aqui, há 500 anos, que os primeiros portugueses pisaram Timor. O significado dessa primeira visita, e dos cinco séculos seguintes, evidenciou-se ontem, com o sol já a pôr-se e depois de uma missa de mais de duas horas.

 

E não apenas no que o momento representou: timorenses, 500 anos depois a escolherem como um dos símbolos da sua identidade o que é um dos maiores símbolos de Portugal, a caravela.

 

Nem sequer no discurso em português proferido pelo chefe de Estado, Taur Matan Ruak e, como o resto da cerimónia - o ponto alto das celebrações do 500º aniversário das relações entre os dois povos - a ser transmitido para todo o país, em direto, pela televisão nacional.

 

Os laços ficaram evidentes noutros momentos mais fora do protocolo da cerimónia, em que participaram as principais figuras do Estado timorense, o presidente do Tribunal Constitucional português, Joaquim de Sousa Ribeiro e vários ministros da CPLP, entre outros.

 

Ao som e à luz de fogo-de-artifício, centenas de timorenses alinharam-se para tirar fotos ao lado da caravela e entre as oito figuras em bronze que retratam esse primeiro contacto.

 

Entre eles, estavam pelo menos dois com camisolas da Fretilin (Frente Revolucionária do Timor-Leste independente) - o partido que, cumpre-se hoje 40 anos, proclamou a independência de Timor-Leste - e alguns chefes tradicionais, descendentes de outros que, há cinco séculos foram os primeiros convertidos ao catolicismo na ilha.

 

A importância do momento, e da união dos dois povos, ficou evidente quando o monumento foi formalmente inaugurado e foram retirados panos laranjas que cobriam seis das oito figuras, também em bronze, que acompanham a obra - seis no solo e duas na caravela.

 

Essa responsabilidade coube a representantes do Estado timorense e português e da Igreja: o presidente do Parlamento Nacional timorense, Vicente da Silva Guterres, o bispo de Baucau Basílio do Nascimento, o chefe de Estado, Taur Matan Ruak, o primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo e o representante do Estado português, Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

O chefe tradicional de Oecusse, Zeferino da Cruz Sau, relembrou e vincou a relação, explicando que foi assinalada nas cerimónias que antes desta, mais protocolar, os líderes tradicionais realizaram, com misticismo e o 'lulik', o sagrado do animismo timorense.

 

"A história aconteceu há 500 anos em Lifau. E essa lembrança foi passando de geração em geração até agora. Como dizia o monumento, aqui também é Portugal. Nunca poderemos esquecer isso e também nunca podemos esquecer a nossa história", disse.

 

Quem tivesse notado o miúdo do grupo que foi entregar oferendas aos bispos timorenses, Basílio do Nascimento e Norberto Andrade, no inicio da longa missa, poderia imaginar que esse esquecimento não será para já.

 

É que nas mãos, acenava com uma bandeira timorense e à cintura, tinha um cachecol português.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 04:09

Prezidente Tribunál Konstitusionál deklara horisehik sente onradu no emosionadu tanba reprezenta Estadu portugés iha serimónia ofisiál sira ne’ebé marka tinan 500 kontaktu entre portugés no timoroan sira ne’ebé hala’o horisehik iha tasi-ibun Lifau, enklave Oekusi.


 

"Relasaun entre Portugál no Timór iha ona tinan 500. Ohin loron ita iha relasaun amizade fraterna", hatete ba Lusa Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

"Prezensa Estadu portugés nian iha ne’e liuhosi ha’u iha signifikadu boot ida no ha’u rasik sente haksolok no emosionadu uitoan tanba bele mai iha ne’e hodi partisipa serimónia ida ne’e", nia hatete.

 

Sousa Ribeiro ko’alia ba Lusa iha serimónia inaugurasaun ba monumentu foun iha tasi-ibun Lifau, iha enklave Oekusi, marka tinan 500 hosi kontaktu ne’e no tuir xefe Estadu timoroan tasi "serve hodi halibur povu, kultura no nasaun sira".

 

Ró bronze ho figura ualu ne’ebé akompaña nia- navegadór, padre, porta-estandarte, mariñeiru na’in rua no timoroan na’in tolu – dezeña hosi eskultór portugés Jorge Coelho no fabrika hosi Fundição Lage de Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia.

 

"Reprezenta mós dimensaun signifikativa ida hosi ami-nia istória no rezultadu hosi tranzmutasaun kulturál ne’e hanesan elementu ne’ebé importante tebes iha identidade nasaun ne’e nian rasik, ne’ebé permite distingi nia hosi zona envolvente no afirma politikamente nia autodeterminasaun no independénsia", nia afirma.

 

Prezidente Konstitusionál, 4.ª figura Estadu nian hatete katak portugés sira sente hanesan "kauza nasionál difikuldade hotu ne’ebé povu timoroan hasoru mak manán hodi afirma nia independénsia".

 

Nia hatete katak maski la prezente iha moris loroloron timoroan hotu nian " nia iha simpatia espesiál tanba povu ki’ik ne’ebé konsege afirma nia kultura no identidade rasik".

 

Uma-na’in hosi serimónia, ne’ebé sei kontinua iha sábadu ho referente ba tinan 40 proklamasaun unilaterál independénsia nian mak Mari Alkatiri, responsável hosi Rejiaun Administrativa Espesiál no Zona Espesiál Ekonomia Sosiál Merkadu nian (ZEESM), Oekusi-Ambenu.

 

"Bainhira hakarak sai pioneiru ida Iha buat ruma ne’e sempre difísil atu ema hotu fiar kedas. Ne’e mak ami-nia istória, ami sempre hahú ho dezafiu ne’ebé difísl tebes maibé to’o ogora ami hatene ultrapasa", nia afirma ba Lusa.

 

Nia konsidera monumentu ne’e hanesan hun hosi istória komún Portugál ho Timor-Leste nian, Iha ne’e bé iha "interasaun, ho faze negativa tebes no faze pozitiva sira seluk".

 

"Buat ne’ebé loos mak iha interasaun no kontraditóriu ne’e hamosu identidade foun povu Timor-Leste nian. Identidade polítika, kulturál, sosiál no relijioza", nia deklara.

 

SAPO TL ho Lusa

 

publika husi sapotl às 02:47

Por António Sampaio da agência Lusa


O presidente do Tribunal Constitucional declarou-se ontem honrado e emocionado por representar o Estado português nas cerimónias oficiais que assinalaram 500 anos do contacto entre portugueses e timorenses que decorreram ontem na praia de Lifau, enclave de Oecusse.


 

"As relações entre Portugal e Timor têm 500 anos. Temos hoje uma relação de amizade fraterna", disse à Lusa Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

"Tem um grande significado a presença do Estado português por meu intermedio e eu pessoalmente sinto-me feliz e até um pouco emocionado por estar aqui a participar nesta cerimónia", admitiu.

 

Sousa Ribeiro falava à Lusa na cerimónia de inauguração do novo monumento que na praia de Lifau, no enclave de Oecusse, assinala o 500º aniversário desse contacto e que para o chefe de Estado timorense mostra como o mar "serve para unir povos, culturas e países".

 

A caravela, em bronze, e as 8 figuras que a acompanham - o navegador, o padre, o porta-estandarte, dois marinheiros e três timorenses -foram desenhadas pelo escultor português Jorge Coelho e fabricadas pela Fundição Lage de Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia.

 

"Representa também uma dimensão significativa do que foi a nossa gesta e o resultado que isso teve na transmutação cultural que foi um elemento muito importante da identidade própria deste país, que permitiu distingui-lo da zona envolvente e afirmar politicamente a sua autodeterminação e independência", afirmou.

 

O presidente do Constitucional, 4.ª figura de Estado, disse que os portugueses sentiram como "causa nacional todas as dificuldades que o povo timorense teve que vencer para afirmar a sua independência".

 

Ainda que não esteja presente no dia-a-dia dos timorenses todos, disse "têm uma simpatia especial por este pequeno povo que conseguiu afirmar a sua cultura e a sua identidade própria".

 

O anfitrião das cerimónias, que continuam sábado com as referentes aos 40 anos da proclamação unilateral da independência, é Mari Alkatiri, responsável da Região Administrativa Especial e da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) de Oecusse-Ambeno.

 

"Quando se quer ser pioneiro em alguma coisa é sempre difícil que todos acreditem logo ao início. Essa é a nossa história, começamos sempre com desafios muito difíceis mas que até aqui temos sabido ultrapassar", afirmou à Lusa.

 

O monumento, considerou, marca o arranque da história comum de Portugal e Timor-Leste, onde houve "uma interação, com fases bastante negativas e outras mais positivas".

 

"A verdade é que nesta interação, neste contraditório, se gerou uma nova identidade do povo de Timor-Leste. Uma identidade política, cultural, social e religiosa", declarou.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 02:24

Tasi ne’ebé jeografikamente haketak mak ida ne’ebé halibur povu, kultura no nasaun Portugál ho Timor-Leste, iha kontaktu ne’ebé iha tinan 500 husik hela "sinál kle’an" iha kultura rua, deklara horisehik Prezidente.


 

"Dala barak ita haree tasi hanesan realidade ne’ebé haketak ita hosi povu, kultura no rai sira seluk. Maibé tasi mós bele halibur", afirma Taur Matan Ruak iha Lifau, iha tasi-ibun enklave Oekusi nian, iha ne’ebé navegadór portugés sira tama iha tinan 500 liubá.

 

"Iha tempu ne’ebá Lifau sau nu’udár fatin hasoru malu ba povu rua ne’e. Enkontru ne’e importante tebes tanba reprezenta Timor nakloke ba mundu esteriór. Kontaktu durante tempu barak entre timoroan ho portugés sira husik hela sinál kle’an iha ita-nia kultura rua ne’e", nia hatete.

 

Taur Matan Ruak ko’alia iha serimónia inaugurasaun ba monumentu iha tasi-ibun Lifau, iha enklave Oekusi, marka tinan 500 hosi kontaktu ne’e no tuir xefe Estadu tasi "serve hodi halibur povu, kultura no nasaun sira".

 

Ró bronze ho figura ualu ne’ebé akompaña nia- navegadór, padre, porta-estandarte, mariñeiru na’in rua no timoroan na’in tolu – dezeña hosi eskultór portugés Jorge Coelho no fabrika hosi Fundição Lage de Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia.

 

Iha diskursu ho portugés, Taur Matan Ruak rekorda katak lia-portugés hanesan lian rezisténsia nian tanba "uluk hanesan lian ne’ebé kombatente sira komprende maibé adversáriu sira la’e", no igreja katólika sai hanesan "instituisaun nasionál ne’ebé fahe no moris hamutuk ho povu iha angustia no sofrimentu nia laran durante funu".

 

Nia hatete katak kristianizmu ne’ebé tama iha Lifau, "sai parte importante ida hosi espiritualidade no kultura timoroan sira-nian" no nia povu halibur hamutuk família "boot ida, ho familiár sira iha Amérika, Europa, iha nasaun afrikanu barak".

 

"Família CPLP nian, mai ita família ne’e moris iha Lifau. Tanba ne’e mak ho haksolok boot ha’u inaugura monumentu ne’e ne’ebé fó hanoin mai ita katak tasi mós serve hodi halibur umanidade", nia afirma.

 

"Monumento ne’e hanesan mós omenajen loloos ida ba ita-nia avó timoroan sira ne’ebé iha tinan barak tebes liubá hasoru malu ba dala uluk ho portugés sira no ho kristianizmu. Bem hajam, povu Lifau, bem haja povu Timor-Leste", nia deklara.

 

Entre momentu oioin hosi serimónia horisehik nian, lansa mós selu no envelope foun rua hosi loron primeiru marka aniversáriu ba dala 500 hosi kontaktu entre Portugál ho Timor-Leste.

 

Iha sira na’in rua orijinalmente hanoin hikas portugés sira tama iha Lifau, no ho valór fasiál dólar 1,5 iha xefe tradisionál timoroan no tais pedasu ida, hena tradisionál.

 

No segundu, ho valór fasiál dólar ida, Iha feto timoroan ida ne’ebé lori raga rua iha kabaas, no foho Timor-Leste nian, ho fraze ida hanesan referénsia ba ai-kameli, rikeza illa nian ida mós.

 

SAPO TL ho Lusa

publika husi sapotl às 01:27

Por António Sampaio da agência Lusa


O mar que geograficamente separa foi o mesmo que uniu os povos, as culturas e os países de Portugal e de Timor-Leste, num contacto que em 500 anos deixou "sinais profundos" nas duas culturas, declarou ontem o Presidente.


 

"Muitas vezes pensamos no mar como a realidade que nos separa de outros povos e de outras culturas, de outras terras. Mas o mar pode também unir", afirmou Taur Matan Ruak em Lifau, na praia do enclave de Oecusse onde há 500 anos chegaram navegadores portugueses.

 

"Naquele tempo Lifau foi ponto de encontro entre os dois povos. Este encontro foi importante porque representou a abertura de timor ao mundo exterior. O contacto duradouro entre timorenses e portugueses deixo sinais profundos nas nossas duas culturas", disse.

 

Taur Matan Ruak falava na cerimónia de inauguração do novo monumento que na praia de Lifau, no enclave de Oecusse, assinala o 500º aniversário desse contacto e que para o chefe de Estado mostra como o mar "serve para unir povos, culturas e países".

 

A caravela, em bronze, e as oito figuras que a acompanham - o navegador, o padre, o porta-estandarte, dois marinheiros e três timorenses - foram desenhadas pelo escultor português Jorge Coelho e fabricadas pela Fundição Lage de Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia.

 

Num discurso em português, Taur Matan Ruak recordou que a língua portuguesa foi a língua da resistência porque "era uma língua que os combatentes compreendiam mas os adversários não", tendo a igreja católica sido "a instituição nacional que mais fortemente partilhou e viveu as angustias e sofrimentos do povo durante a guerra".

 

O cristianismo que entrou em Lifau, disse, "tornou-se uma parte importante da espiritualidade e da cultura timorenses" e o seu povo juntou-se a uma família "grande, com familiares na América, na Europa, em imensos países africanos".

 

"A família da CPLP, essa família, para nós nasceu em Lifau. É por isso que com enorme alegria inauguro este monumento que nos recorda que o mar também serve para unir a humanidade", afirmou.

 

"Este monumento é também uma verdadeira homenagem aos nosso avós timorenses que há muitos, muitos anos, se cruzaram um dia, pela primeira vez, com portugueses e com o cristianismo. Bem hajam, povo de Lifau, bem haja o povo de Timor-Leste", declarou.

 

Entre os vários momentos da cerimónia de ontem, foram lançados dois novos selos e envelopes do primeiro dia a marcae o 500.º aniversário do contacto entre Portugal e Timor-Leste.

 

Nos dois, vê-se o padrão que originalmente recordava em Lifau a chegada dos portugueses, sendo que no de valor facial de 1,5 dólares está um chefe tradicional timorense e um pedaço de tais, o pano tradicional.

 

O segundo, de valor facial de um dólar, tem uma mulher timorense que transporta dois cestos nos ombros, e as montanhas de Timor-Leste, com uma frase em referência ao sândalo, uma das riquezas da ilha.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 01:17

Novembru 2015
Dom
Seg
Ter
Kua
Kin
Ses
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
20
21

22



arkivu
tags

tags hotu-hotu

konaba ba ha'u
Peskiza
 
blogs SAPO