da chegada das caravelas

25
Nov 15

Xanana Gusmão ohin dehan katak preparasaun ba inaugurasaun hosi karavela iha Lifau, Oekussi, sesta-feira agora, hodi komemora tinan 500 portugés-oan sira to’o iha Timor-Leste, besik remata ona.


 

"Ami to’o ona ninia rohan. Serbisu ne’e halo durante loron no kalan, iha loron 10 ikus ne’e, maibé ha’u hanoin ema ne’ebé iha ne’e, entusias los, atu hatudu buat di’ak”, tenik ministru Planeamentu no Investimentu Estratéjiku. Xanana Gusmão ko’alia lia hirak ne’e iha duni fatin ne’ebé harii karavela ho bronze, iha Vila Nova de Gaia no ne’ebé sei inaugural iha 27-novembru, bainhira komemora tinan 500 hosi portugés-oan sira to’o iha Timor-Leste.

 

Komemorasaun hosi tinan proklamasaun independénsia ba tinan haat nulu (40º), sei hala’o mos eventu paralela iha Oekussi no Dili, ne’ebé sei konta ho prezensa hosi prezidente Tribunál Konstitusionál, Joaquim de Sousa Ribeiro, nu’udar reprezentante Portugal nian.

 

Xanana Gusmão maka sei diriji selebrasaun iha Tasi Tolu, Dili, maibé iha semana hirak ikus ne’e nia fahe ninia tempu bá to’o Oekussi hodi halo preparasaun ikus ba komemorasaun ne’e.

 

 

 

"Ha’u fi’ar katak bainhira ema sira to’o iha ne’e sira sei dehan: serbisu ne’e furak tebes. Serbisu magnífiku ida ne’ebé hetan kolaborasaun hosi ema sira ne’ebé di’ak”, dehan element ida hosi Sentru Arkivu Audivizuál Max Stahl.

 

"Maski ladun komprende di’ak tanba lian. Maibé esforsu hosi serbisu ne’e furak tebes. No karik serbisu ne’e di’ak, halo ho hamnasa no ksolok, festa ne’e mos tenke sai ksolok liu tan", dehan.

 

Maski ladauk halo hotu obra bobot iha Lifau, maski nune’e ninia dezenvolvimentu la’o daudaun ba oin, desde Lusa halo reportajen durante vizita bá fatin refere iha 5-novembru, bainhira hahú harii karavela refere.

 

Ida ne’e hanesan karavel ho bronze tonalada 8,5, ne’ebé halo iha Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, no ne’ebé hanesan element sentrál hosi monument foun ne’e.

 

Obra hosi autoria Fundição Lage, komisiasa hosi Ministériu Turismu no koloka iha parte sorin hosi padraun ne’ebé durante tinan barak, sai hanesan fatin ba portugés-oan sira ne’ebé to’o uluk iha Illa ne’e.

 

“Importante baa mi atu hanoin hikas kona-ba portugés-oan sira ne’ebé deskobre rai ne’e iha tinan 500 liu ba. Ami prepara-aan hodi selebra portugés-oan sira-ninia to’o ka prezensa, liu-liu padre katólika sira. Karik laiha deskobrimentu iha tempu ne’ebá, maka ami lahetene ami iha los ne’ebé”, dehan ministru Turismu, Francisco Kalbuadi ba Lusa.

 

Karavela ne’ebé akompaña hosi figura ualu ne’ebé mos bronze – navegadór, padre, porta-estandarte, mariñeiru na’in rua ho timor-oan na’in tolu – maka domina iha parte sentru hosi monument foun ne’ebé harii daudaun.

 

“Komponente ba obra hirak ne’e ho todan tonelada 10.Metade hosi karavela orijinál. Karavela de’it maka ho todan tonelada 8 ho balun, no totál besik tonalada 10. Ninia naruk metru 13, as metro 13 no luan besik metro 3,2”, tenik Fernando Lage, fundisaun nian ba Lusa.

 

"Iha ninia estrutura interiór ida no estrutura ida ne’ebé la’os bronze maka lilin”, dehan Lage, ne’ebé mai Timór hodi superviziona instalasaun karavela nian.

 

Iha deklarasaun ba Lusa, nia hanoin hikas kona-ba monumentu ne’e iha tempu uluk ne’ebé sei sai furak ba rejiaun ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

publika husi sapotl às 06:35

Xanana Gusmão disse hoje que estão praticamente concluídos os preparativos para a inauguração sexta-feira da caravela que, em Lifau, no enclave de Oecusse, assinalará os 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste.


"Chegámos ao final. Foram dias e noites de trabalho, nos últimos 10 dias, mas penso que todo o pessoal que esteve aqui, esteve entusiasmado, deu o melhor de si", afirmou o ministro do Planeamento e Investimento Estratégico.

 

Xanana Gusmão falava no espaço, em Lifau, onde está a caravela em bronze construída em Vila Nova de Gaia e que vai ser inaugurada no próximo dia 27 de novembro, no âmbito das celebrações dos 500 anos da chegada de portugueses a Timor-Leste.

 

Celebra-se ainda o 40º aniversário da proclamação da independência de Timor-Leste, com eventos paralelos que decorrem em Oecusse e em Díli e onde Portugal se fará representar pelo presidente do Tribunal Constitucional, Joaquim de Sousa Ribeiro.

 

Xanana Gusmão conduzirá as celebrações em Taci Tolo, nos arredores de Díli, mas nas últimas semanas passou grande parte do tempo no enclave de Oecusse para os preparativos finais para as comemorações.

 

 

 

"Acredito que quando o pessoal chegar aqui vai dizer: valeu a pena todo o esforço. Um trabalho magnífico em que a colaboração entre as pessoas foi muito boa", disse a elementos do Centro de Arquivo Audiovisual Max Stahl.

 

"Mesmo quando não se compreendiam bem, por causa da língua. Todo o esforço que imprimiram no trabalho foi lindo. E se o trabalho foi bom, com um sorriso e muita alegria, a festa tem que ser de muita alegria", disse.

 

Ainda que não esteja totalmente concluídas as obras do complexo de Lifau avançaram significativamente desde que a reportagem da Lusa visitou o local, no passado dia 05 de novembro, altura em que a caravela foi instalada.

Trata-se de uma caravela de 8,5 toneladas em bronze, fabricada em Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, e que é o elemento central do novo monumento.

A obra, da autoria da Fundição Lage, foi comissionada pelo Ministério do Turismo timorense e está colocada ao lado do padrão que, durante décadas, marcou o local onde chegaram os primeiros portugueses à Ilha.

 

"É importante para nos lembrar que foram os portugueses que descobriram esta terra há 500 anos. Estamos a preparar-nos para celebrar a chegada dos portugueses, principalmente os padres católicos. Se não fosse o descobrimento daquela altura não sabemos onde estaríamos", disse na altura à Lusa o ministro do Turismo timorense, Francisco Kalbuadi.

 

A caravela, que é acompanhada de oito figuras também em bronze - o navegador, o padre, o porta-estandarte, dois marinheiros e três timorenses - está no centro de um círculo que domina o novo monumento, ainda em construção.

 

"Em conjunto todos os componentes da obra pesam cerca de 10 toneladas. É metade de uma caravela original. Pesa cerca de 8 toneladas e meia, só a caravela, e no total cerca de 10 toneladas. Tem 13 metros de comprimento, uma altura de 4,3 metros e uma largura de cerca de 3,2 metros", disse à Lusa Fernando Lage, responsável da fundição.

 

"Tem uma estrutura interior e a única estrutura que não é em bronze são as velas", comentou Lage, que veio a Timor para supervisionar a instalação da caravela.

 

Em declarações à Lusa, recordou a ideia por trás do monumento que, considera, vai ser chamariz para a região.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 06:14

Objetu sira, inklui bandeira nasionál ida, dokumentu no materiál gráfiku integra espozisaun ida ne’ebé inaugural horisehik iha Dili no enklave Oekusi, ne’ebé rekorda tinan 500 lasu entre Portugál no Timor-Leste.


 

Epifânio Sarmento @SAPO TL


Aniversáriu, ne’ebé sei hala’o iha loron 27 novembru ho inaugurasaun ba ró mak halo ho bronze iha tasi-ibun Lifau nian, iha Oekusi - iha ne’ebé navegadór portages sita to’o ba - koinside mós ho aniversáriu hosi proklamasaun unilaterál independénsia Timor-Leste nian ba dala 40 ne’ebé sei hala’o iha loron 28 novembru.

 

Espozisaun ne’e inaugural horisehik paralelamente iha Dili, iha Arkivu no Muzeu Rezisténsia Timoroan (AMRT) no iha Oekusi, iha Sentru Aprendizajen no Formasaun Eskolár Timor-Leste nian (CAFE), fatin iha ne’ebé hala’o mós feira ba livru.

 

Inisiativa ne’e konta ho envolvimentu hosi AMRT, Arkivu Nasionál timoroan, Sekretaria Estadu Arte no Kultura, Fundasaun Mário Soares no Fundasaun Oriente.

 

"Espozisaun ne’ebé marka enkontru ida mak akontese iha sékulu XVI no marka determinadamente Portugál no Timór durante tinan 500", hanesan hatete Antoninho Baptista Alves, diretór ARMT nian.

 

"Mane no feto sira, oan sira iha sira-nia tempu no hosi kada époka ne’ebé sira hasoru, ne’ebé kontribui hanesan pontu entendimentu ne’ebé ohin loron hanesan marka iha identidade nasaun rua ne’e nian", nia hatutan.

 

Nia hatete Timor-Leste simu lian no katolisizmu no "sinál sira seluk", balun hosi sira ne’e ohin loron rai iha ARMT no Arkivu Nasionál.

"Rekursu ida hodi aprende no hanorin. Hein katak ita hotu hatene ita-nia istória. Hein katak ita defende buat hotu, koñesimentu no buka hatene ita-nia an no buat seluk. Hein katak koñesimentu ne’e sai hanesan baze ba toleránsia no entendimentu", nia afirma.

 

Dionísio Babo, ministru Administrasaun Estatál no ministru Estadu, Koordenadór ba Asuntu Administrasaun Estadu no Justisa nian, rekorda importánsia hosi lasu entre Portugál no Timor-Leste.

 

Ministru ne’e destaka impaktu hosi relijiaun no lia-portugés no ohin Timor-Leste la’ós komemora "hodi haree de’it ba pasadu" maibé hodi rekoñese elementu sentrál hosi nia identidade, ne’ebé ohin loron presiza hasa’e.

 

"Timoroan sente orgullu tebes ho pasadu. No ida ne’e pretense ba jerasaun hotu nian. Ema barak sei hanoin katak interasaun ne’ebé ita nia antepasadu sira harii ne’e iha folin no to’o ohin loron ita konsege mantein", nia afirma.

 

Manuel Gonçalves de Jesus, embaixadór Portugál nian iha Dili hakarak hanoin hikas "timoroan sira ne’ebé partisipa iha luta" ba libertasaun Timor-Leste nian.

 

Tuir diplomata ne’e, relasaun entre Portugál no Timor-Leste halo "liuhosi momentu boot balun", maibé mós liuhosi jestu seluk ne’ebé "konsege kria konvivénsia no konsensu" ne’ebé permite "rekorda buat ne’ebé di’ak liu".

 

"Hahú siklu foun hosi istória Timór nian. No siklu dezafiu foun mai ami portugés sira iha kooperasaun", nia afirma.

 

Alfredo Caldeira, hosi Fundasaun Mário Soares, entidade ida ne’ebé mós asosia ho espozisaun ne’e, hatete katak ne’e hatudu pontu esensiál hosi relaaun entre nasaun rua ne’e, inklui impaktu hosi introdusaun katolisizmu iha Timor-Leste.

 

"Ida ne’e ajuda hadi’a identidade povu Timor-Leste nian", nia hatete no rekorda katak ohin loron nasaun rua ne’e moris iha liberdade, no konkista demokrasia.

 

Tuir Eugénio Sarmento, xefe tradisionál hosi Soibada, bainhira lee poema tradisionál ida hodi hanoin hikas lasu istóriku entre nasaun rua ne’e, no hametin lasu entre monarkia sira, fé katólika no mistisizmo hosi ‘lulik', animizmu timorOan mak konsidera lulik.

 

"Konkista Timór la’ós mai hosi arma maibé hosi obra relijioza no polítika hosi misionáriu sira", nia hatete.

 

Iha espozisaun ne’e, halo mós edisaun ba katálogu ida ne’ebé rekorda aspetu markante balun iha sékulu lima ikus ne’e, ho testu hosi Paulo Jorge de Sousa Pinto.

 

SAPO TL ho Lusa

publika husi sapotl às 01:21

Objetos, incluindo uma bandeira nacional, documentos e material gráfico integram uma exposição inaugurada ontem em Díli e no enclave timorense de Oecusse, que recorda os 500 anos de laços entre Portugal e Timor-Leste.


 

Epifânio Sarmento @SAPO TL


O aniversário, que vai ser assinalado no dia 27 de novembro com a inauguração de uma caravela em bronze na praia de Lifau, em Oecusse - onde chegaram os navegadores portugueses - coincide ainda com o 40.º aniversário da proclamação unilateral da independência de Timor-Leste, assinalado a 28 de novembro.

 

A exposição foi inaugurada ontem paralelamente em Díli, no Arquivo e Museu da Resistência Timorense (AMRT) e em Oecusse, no Centro de Aprendizagem e Formação Escolar de Timor-Leste (CAFE), onde está também a decorrer ainda uma feira do livro.

 

A iniciativa conta com o envolvimento do AMRT, do Arquivo Nacional timorense, da Secretaria de Estado Arte e Cultura, Fundação Mário Soares e Fundação Oriente.

 

"Uma exposição que celebra um encontro ocorrido no século XVI e que marcou determinadamente Portugal e Timor durante 500 anos", como recordou Antoninho Baptista Alves, diretor do ARMT.

 

"Homens e mulheres, filhos dos seus tempos e de cada uma das épocas que viveram, que contribuíram como pontos de entendimento que são hoje um marco na identidade de ambos os países", sublinhou.

 

Timor-Leste, disse, herdou a língua e o catolicismo e "tantos outros sinais", alguns dos quais estão hoje à guarda do ARMT e do Arquivo Nacional.

"Um recurso para aprender e ensinar. Que sejamos todos conhecedores da nossa história. Que defendamos todos, o conhecimento e a procura do que somos nós e outro. Que esse conhecimento seja a base da tolerância e do entendimento", afirmou.

 

Dionísio Babo, ministro da Administração Estatal e ministro de Estado, Coordenador dos Assuntos da Administração do Estado e da Justiça, recordou a importância dos laços entre Portugal e Timor-Leste.

 

O ministro destacou o impacto da religião e da língua portuguesa e que Timor-Leste hoje assinala "não apenas para olhar para o passado" mas para reconhece elementos centrais da sua identidade, que hoje importa vincar.

 

"O timorense sente muito orgulho no seu passado. E isso é pertença de todas as gerações. Muitos ainda pensam que valeu a pena essa interação que os nossos antepassados formaram e que até hoje conseguimos manter", afirmou.

 

Manuel Gonçalves de Jesus, embaixador de Portugal em Díli, quis recordar os "timorenses que participaram na luta" pela libertação de Timor-Leste.

 

Para o diplomata, a relação entre Portugal e Timor-Leste foi feita "pela grandeza de alguns momentos", mas também por outros gestos que "conseguiram criar uma convivência e consenso" que permite "recordar o que ficou de melhor".

 

"Inicia-se um novo ciclo da história de Timor. E um novo ciclo de desafios para nós portugueses na cooperação", afirmou.

 

Alfredo Caldeira, da Fundação Mário Soares, uma das entidades que se associaram para a exposição, disse que a mostra evoca pontos essenciais da relação entre os dois países, incluindo o impacto da introdução do catolicismo em Timor-Leste.

 

"Isso ajudou a moldar de alguma forma a identidade do povo de Timor-Leste", disse, recordando que os dois países vivem hoje em liberdade, tendo conquistado a democracia.

 

Coube a Eugénio Sarmento, chefe tradicional de Soibada, a leitura de um poema tradicional a recordar os laços históricos entre os dois países, vincados nos laços entre as monarquias, a fé católica e o misticismo do ‘lulik', o sagrado do animismo timorense.

 

"Timor resulta não da conquista pelas armas mas pela obra religiosa e política pelos missionários", disse.

 

A par da exposição, foi editado um catálogo que recorda alguns dos aspetos mais marcantes dos últimos cinco séculos de relação, com texto de Paulo Jorge de Sousa Pinto.

 

@Lusa

publika husi sapotl às 00:52

Novembru 2015
Dom
Seg
Ter
Kua
Kin
Ses
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
20
21

22



arkivu
tags

tags hotu-hotu

konaba ba ha'u
Peskiza
 
blogs SAPO